Os sabores do Estuário do Sado estiveram em destaque na 16.ª Festa do Moinho de Maré da Mourisca, em Setúbal, que se realizou no passado fim de semana, com a participação de mais de 10 mil visitantes.

“O balanço é bastante positivo. Foi um evento bastante participado, com a população a aderir em massa”, refere José Belchior, presidente da Junta de Freguesia de Gâmbia, Pontes e Alto da Guerra.

A abertura oficial da festa, sexta-feira à noite, contou com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal de Setúbal, André Martins, bem como dos presidentes das juntas de freguesia do Sado, Manuel Véstias, e de Gâmbia, José Belchior, e de responsáveis de coletividades.

O certame, organizado pela Comissão de Festas do Moinho de Maré da Mouriscas e pelas duas juntas de freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal, incluiu os tradicionais concursos de gastronomia, doces e licores, que têm como requisito possuir um ingrediente oriundo do estuário.

Um ensopado de ostras e uma feijoada de ostras apresentados pelo Estrelas do Faralhão Futebol Clube conquistaram o primeiro e o segundo lugares da edição de 2015 do Concurso de Gastronomia, enquanto as pataniscas de berbigão com arroz de feijão, trazido pela União Desportiva e Recreativa das Pontes, ficou na terceira posição.

No Concurso de Doces, o vencedor foi um bolo de noz, do Estrelas do Faralhão. A tigelada dos Jovens da Capela ficou em segundo, enquanto a delícia de figo confecionada pela Associação de Solidariedade Social da Gâmbia, Pontes e Alto da Guerra conquistou o terceiro lugar.

Na categoria de Licores, um licor de folha de figueira, da Associação de Solidariedade Social da Gâmbia, Pontes e Alto da Guerra, foi o grande vencedor, seguindo-se um licor de ervas aromáticas, da União Desportiva e Recreativa das Pontes, e um licor de medronho, dos Jovens da Capela.

O certame, que se realizou entre sexta-feira ao fim da tarde e domingo, recebeu mais de 10 mil pessoas na Herdade da Mourisca. Além da animação musical, uma constante ao longo dos três dias, não faltaram os stands dedicados aos produtos artesanais e espaços para as instituições e coletividades, assim como as tradicionais tasquinhas.

Na abertura, a exposição de fotografias “As Ostras do Sado na Memória de um Povo”, mostra que retrata a vida dos apanhadores de bivalves na década de 60, foi inaugurada no Moinho de Maré da Mourisca, onde fica patente até  final de outubro.

 

Partilhe esta notícia