Nem a noite fria e ventosa, nem o facto de o primeiro dia do mês de Dezembro não ser feriado impediu a Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro de comemorar os seus 160 anos de existência e o Dia da Restauração Nacional. Cerca de 20 músicos da banda de música da Sociedade Filarmónica 1º de Dezembro do Montijo saíram ontem à rua, ainda amanhecia, tocando pela cidade o Hino da Restauração.

À noite, na sede da Sociedade, teve lugar a sessão solene que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, da presidente da Assembleia Municipal do Montijo, Maria Amélia Antunes, de Fernando Caria, presidente da União de Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, do presidente da direcção da colectividade, Joaquim Baliza e do presidente da assembleia geral do 1.º de Dezembro, Amândio de Carvalho.

Foram muitas as palavras dirigidas À centenária associação, não só pela comemoração do aniversário, mas também por manter de pé o espirito do associativismo e desejando que o futuro da mesma seja grandioso.

Nuno Canta saudou a instituição, a que apelidou de “conservatório do povo”, pelos 160 anos de vida. “Não é um acontecimento vulgar, são anos preenchidos por realizações de mérito artístico, amplamente reconhecidas na cidade e fora dela”, afirmou.

Para o autarca, esta foi uma cerimónia de aniversário duplamente simbólica para os montijenses e para os portugueses recordarem “ o espirito do 1 de Dezembro de 1640, o Dia da Restauração da Independência Nacional, ou mesmo o acto realizado contra nós mesmos, que é a eliminação do feriado do 1.º de Dezembro por uma lei realizada contra o povo português”.

Para o presidente da Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro, Joaquim Baliza, esta é a comemoração de “160 anos de muitos sacrifícios, mas repletos de glórias, que trouxeram a esta sociedade os mais altos galardões quer a nível concelhio, quer a nível nacional. São muitos anos de história feita pelos excelentes músicos e maestros que passaram por esta casa.”

Na cerimónia solene, foram entregues diplomas e emblemas aos sócios que completaram 25 e 50 anos de filiação e teve lugar a actuação do coro da sociedade.

Partilhe esta notícia