A Ocean Alive realiza a 3a ação da campanha de sensibilização e limpeza de praia no estuário do Sado, realizada por voluntários, com a finalidade de sensibilizar os mariscadores do lingueirão e do casulo e acabar com a “tradição” de deixar as embalagens de sal fino vazias na beira-mar. A campanha tem a duração de 13 meses. Consiste em 13 acções de sensibilização e limpeza, na criação de uma rede de boas práticas e de uma rede de stakeholders para transformar este mau comportamento. 4070 embalagens de sal e 1700kg de lixo já foram recolhidos pelos voluntários da campanha, nas duas ações já realizadas! Esta campanha enquadra-se no Ano Internacional do Entendimento Global, e fazem parte da rede de parceiros desta campanha entidades locais, empresas, ONGs e a Unesco.

COMO É QUE ESTE PROBLEMA SURGE?

Do arroz de lingueirão e do isco para a pesca ao plástico nos Oceanos e em nós.

O lingueirão (bivalve) e o casulo (anelídeo) vivem enterrados na vasa do estuário. O lingueirão é apanhado para comer ou para servir de isco, tal como o casulo. A apanha destes animais decorre durante a maré baixa ao longo de todo o ano, por mariscadores credenciados e por mariscadores lúdicos que vêm de toda a península de Setúbal. (há duas outras espécies de lingueirão que são apanhadas na costa e que vivem sempre imersas) Para os capturar, o mariscador deita sal fino no seu buraco. Estes sentem-se perturbados com o excesso de salinidade, saem do seu buraco e são assim facilmente capturados. Uma parte dos mariscadores deixa as embalagens de plástico de sal vazias na beira-mar. O grande pico anual de afluência de mariscadores, é na sexta-feira santa, quando por tradição, centenas de mariscadores oportunistas vêm ao estuário do Sado apanhar lingueirão. Para além deste dia, as grandes marés do ano (na primavera e no Outono) e os feriados nacionais com boas marés, são os momentos do ano com maior afluência de mariscadores. Todos os anos, só nestes dias, são deixados no mar centenas de embalagens de plástico de sal vazias.

O QUE ACONTECE ÀS EMBALAGENS DE PLÁSTICO DE SAL DEIXADAS NA MARÉ?

80% do lixo que está no Oceano é Plástico. As embalagens de plástico de sal terão um longo processo de degradação que dura entre dezenas a cerca de 400-500 anos. Primeiro, as partículas de médias dimensões das embalagens poderão ferir, asfixiar, causar úlceras ou a morte de animais marinhos, por exemplo as aves marinhas que confundem o plástico das embalagens que boiam, com os peixes de que se alimentam. Depois, tornam-se em partículas mais pequenas, os microplásticos que são incorporados nas microalgas e no zooplancton. Estima-se que existam mais de 5 triliões de plásticos no Oceano, a maioria são microplástcos (com dimensão inferior a 5mm). Os compostos químicos (dos microplásticos), já por si nocivos, aglutinam compostos ainda mais tóxicos, os organoclorados (como os PCBs), com efeitos nefastos no sistema imunitário (causa de cancro) e na reprodução animal. O final da história é que os microspásticos das embalagens de sal serão incorporados ao longo da cadeia alimentar do ecossistema marinho, acabando em nós, através dos peixes e mariscos que comemos e nos golfinhos do Sado. Por outro lado, parte das embalagens vem dar às praias de Setúbal, Tróia e Arrábida, constituindo também um risco para a saúde pública, por exemplo causando ferimentos para quem caminha descalço na areia. A título exemplificativo, depois destas tempestades de chuvas e ventos em Maio, encontrámos numa só praia, na margem ribeirinha de Setúbal, 340 embalagens de sal.

QUAL É A RESPOSTA DA OCEAN ALIVE PARA ELIMINAR ESTA FONTE DE LIXO MARINHO?

Uma acção local que responde a um problema global, faz o enquadramento da campanha no Ano internacional do Entendimento Global (http://www.global-understanding.info/pt/). A resposta da Ocean Alive para este problema é a realização de uma campanha de sensibilização e limpeza de praia no estuário do Sado, com acções regulares realizadas por voluntários, e a criação de uma rede de boas práticas e uma rede de stakeholders envolvendo a sociedade. A campanha terá a duração de 13 meses, teve início na sexta feira santa de 2016 e terminará na sexta feira santa de 2017. As acções regulares de limpeza decorrerão, pelo menos, uma por mês. A criação de uma rede de boas práticas terá por base a intervenção da comunidade piscatória, nomeadamente, de pescadoras e mariscadores influentes. A criação de uma rede de stakeholders influentes terá por base empresas, o poder local e instituições que abracem esta causa. Eis alguns exemplos: a divulgação da campanha com a frase “não deixe as embalagens no mar, traga as embalagens para reciclar” começa nas prateleiras de sal dos supermercados Jumbo e Pingo Doce, dois dos principais pontos de abastecimento dos mariscadores, passa pela abordagem directa nas campanhas de sensibilização e entrega de um saco da Seaside de por às costas para transporte das embalagens. Procuramos promover a implementação de soluções como a colocação de contentores para o lixo nos pontos de mariscagem ou de reciclagem nos supermercados. Para sensibilizar o público em geral, as embalagens recolhidas até à 6a campanha, e no final, serão expostas em lugar público para mostrar o volume causado por este mau hábito no estuário do Sado. A Ocean Alive pede a colaboração a todas as entidades que realizem limpezas de praia no estuário do Sado, para a concretização desta exposição, guardando as embalagens de sal fino encontradas e entregando-as a esta organização. No final, todas as embalagens recolhidas serão recicladas em mobiliário urbano pela Extruplas.

Ponto da situação da campanha: DUAS AÇÕES de sensibilização e limpeza de praia já REALIZADAS

Até à data foram realizadas duas acções de sensibilização, uma na sexta feira santa, dia 25 de Março e outra no dia 9 de Abrll, datas escolhidas por serem o dia “nacional” em que há tradição ir mariscar e por ser uma das maiores marés do ano, respectivamente. A limpeza de praia nestas duas acções decorreu nas Paias de Eurominas, Gazlimpo e pirites, na margem Norte do estuário do Sado. Participaram 66 voluntários (estudantes, professores, famílias, público em geral) e foram abordados 335 mariscadores. Foram retirados 1700kg de lixo e foram recolhidas 3630 embalagens. Com outras acções pontuais de limpeza, os voluntários da campanha da Ocean Alive já recolheram ao todo 4070. A Ocean Alive levou esta campanha para a Feira de Náutica e Pesca e para o Fórum da Juventude de Setúbal, organizados pela Câmara Municipal de Setúbal.

Qual é a IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA DA CALDEIRA DE TRÓIA

Sábado dia 21 de Maio, irá realizar-se a 3a acção da campanha de sensibilização, desta feita: limpar a Caldeira de Tróia! A caldeira de Tróia é uma reentrância do estuário do Sado, uma laguna que enche e esvazia com as marés, de fundo lodoso, rodeada de sapal e pinhal. Muitas aves aquáticas vão ali alimentar-se ou descansar. São exemplos os pilritos, os fuselos, garças e mesmo aves migradoras como os mergansos. Pela sua importância ecológica, a caldeira de Tróia e o pinhal que a envolve, são habitats que fazem parte da rede de sítios prioritários para a conservação na Europa, integrados no sítio Estuário do Sado da Rede Natura 2000.

DESTINO DAS GARRAFAS DE SAL RECOLHIDAS – sensibilizar o publico em geral

A Ocean Alive irá reunir as embalagens de sal vazias recolhidas ao longo das campanhas e expô- las em lugar público para mostrar o volume de lixo que este mau hábito deixa no mar e assim sensibilizar a população em geral para este problema local. A Ocean Alive pede a colaboração a todas as entidades que realizem limpezas de praia no estuário do Sado, para a concretização desta exposição, guardando as embalagens de sal fino encontradas e entregando-as a esta organização (info@ocean-alive.org).

No final das 13 acções da campanha, as embalagens serão entregues à empresa Extruplas que transformará o plástico recolhido em mobiliário urbano reciclado.

OS MEDIA PODEM ALAVANCAR ESTA MUDANÇA

Constatámos na primeira campanha de sensibilização, realizada a 25 de Março, que os mariscadores oportunistas são de qualquer parte da península de Setúbal (Sesimbra, Almada, Pinhal Novo, Pegões, Faias,…). Para passar a palavra às muitas centenas de mariscadores oportunistas, isto é, qualquer pessoa com a iniciativa ou hábito de mariscar, e que só vem uma ou um punhado de vezes por ano mariscar, necessitamos do apoio dos media locais mas tb dos media com maior distribuição. A nossa presença no local inspirará sobretudo aqueles com quem temos contacto direto. Os media são embaixadores desta campanha de mudança!

ÂMBITO DA CAMPANHA

A Ocean Alive (www.ocean-alive.org), responsável pela campanha, é uma cooperativa cultural, uma organização sem fins lucrativos, para a educação marinha cujo programa de atividades tem o apoio institucional da Unesco. Esta ação enquadra-se na missão da Ocean Alive: transformar comportamentos para a proteção do Oceano, nomeadamente das pradarias marinhas do estuário, o habitat mais importante para os golfinhos do Sado e para a comunidade piscatória local, através da educação marinha e do envolvimento das comunidades costeiras locais. A campanha de sensibilização e limpeza de praia no estuário do Sado, enquadra-se na iniciativa “Guardiãs do mar: salvar o ambiente, preservar empregos”. Esta é uma ideia é finalista ao prémio Ideias de Origem Portuguesa 2016 cuja equipa é formada por duas fundadoras da Ocean Alive, uma bióloga marinha e uma gestora, e duas mulheres pescadoras do estuário do Sado. Para mais informações e video sobre esta ideia :

(http://2016.ideiasdeorigemportuguesa.org/ideias/41)

PRÓXIMA AÇÃO DA CAMPANHA DE SENSIBILIZAÇÃO – 8 de Junho

A 4a ação de sensibilização já está marcada para dia 8 de junho, o DIA MUNDIAL DOS OCEANOS, e decorrerá também em Tróia. Tendo o seu início em 2003, atualmente a data marca uma celebração global e colaborativa reconhecida pelas Nações Unidas. “OCEANO SAUDÁVEL, PLANETA SAUDÁVEL” é o lema de 2016: em todo o mundo, organizações e indivíduos realizarão ações para alertar e prevenir a poluição do Oceano pelos plásticos. A campanha da Ocean Alive é um dos eventos registados na celebração deste Dia. http://www.worldoceansday.org

As informações detalhadas sobre a 4a ação da campanha serão posteriormente partilhadas.

 

ENTIDADES PARCEIRAS/APOIOS/PATROCINADORES

Parceiros:

Esta acção conta com a participação da Iniciativa Amar Setúbal e a Brigada de Mar: apoio na divulgação da campanha, na limpeza de praia e na angariação de voluntários

IGCP – Unesco – Comité Nacional para o Programa Internacional de Geociências da Unesco. Pingo Doce – divulgação do cartaz da campanha junto das prateleiras de venda do sal.
CM Grândola e InfraTróia- entrega e recolha dos sacos com lixo;
CM Grândola – cedência de autocarro para transportar os voluntários até ao local da ação ICNF- apoio na divulgação

Juntas de freguesias locais (Comporta): divulgação da campanha

Extruplas – reutilização das embalagens

SEASIDE – cedência de saco reutilizável para a o transporte das embalagens

Patricinador:

Atlantic Ferries – apoio logístico: garantem de forma gratuita o transporte dos voluntários até Tróia

CONTACTOS

Ocean Alive: info@ocean-alive.org | facebook.ocean.alive.org | 917915595 | 916417974

COMO PARTICIPAR – VOLUNTÁRIOS

Todos os voluntários terão de estar inscritos na campanha. Inscrições: info@ocean-alive.org ou oceanalive.info@gmail.com.

LOCAL, DATA e HORA

A 3a ação da campanha de sensibilização terá lugar na Caldeira de Tróia no próximo sábado dia 21 de maio, entre as 9h e as 14:30h.

PONTO DE ENCONTRO, Transporte e Regresso

O ponto de encontro será às 8:45h junto à estação fluvial de Catamarans. Partiremos para Tróia

no Catamaran das 9:05h. Na chegada à outra margem teremos transporte até à praia, estando

prevista a chegada ao local da ação por volta das 10h. A campanha de sensibilização terminará

por volta das 14:30h de forma a garantir o embarque dos voluntários no Catamaran das 15:30h.

Aconselhamos a levar almoço na mochila dado o horário estabelecido. O transporte dos

voluntários de Setúbal para Tróia e o regresso será garantido de forma gratuita graças aos apoios

da Atlantic Ferries e da Câmara Municipal de Grândola.

PLANO OPERACIONAL

O plano operacional é coordenado pela Ocean Alive com o auxílio das organizações Brigada de Mar e Iniciativa Amar Setúbal. O mesmo, baseia-se na intervenção de voluntários e de entidades que dão apoio logístico a esta acção: interação direta dos voluntários (equipa de sensibilização) com os mariscadores; recolha de embalagens de sal vazias e do lixo nas margens da Caldeira (equipa de limpeza). Serão sensibilizados os mariscadores para não deixar na vasa as embalagens vazias. Como sugestão para o seu transporte, será entregue um saco reutilizável da Seaside. O lixo recolhido será ensacado e retirado do local pela empresa InfraTroia.