A gestão dos consumos energéticos em dias de frio

Com a descida da temperatura, sobem os consumos de energia para suprir as necessidades de aquecimento que permitem manter níveis de conforto térmico nos espaços interiores das edificações. Sendo esta uma necessidade elementar, verifica-se no entanto que nem sempre são tidas em consideração estratégias comportamentais que permitem atingir os níveis de conforto térmico mais adequados, sem aumentar significativamente os consumos energéticos.

Importa relembrar que cerca de 25% dos ganhos e perdas de calor numa edificação dão-se pelas superfícies envidraçadas, pelo que importa deixar entrar a radiação solar durante o dia, abrindo os estores, persianas, portadas e demais sistemas de sombreamento exterior para aumentar os ganhos solares de um edifício.

Estes ganhos por si só poderão ser insuficientes para aquecer o espaço interior, mas se conjugados com um sistema de aquecimento como aquecedor elétrico com ventilação ou ar condicionado, permitirão reduzir o consumo de energia elétrica destes equipamentos. Os equipamentos de ar condicionado deverão ser regulados para temperaturas entre os 18◦C e os 20◦C. As portas deverão estar fechadas, para garantir a contenção do calor nestes espaços, e os equipamentos devem ser desligados sempre que os espaços não estejam ocupados. Durante a noite, importa fechar estores, persianas, portadas para reduzir as perdas de calor acumulado.

Por último, cabe referir que o vestuário desempenha também um papel importante no conforto térmico e ambiental, pelo este deve ser adequado às exigências térmicas de cada dia.

Não nos abstraindo de utilizar a energia sempre que necessária para obter níveis de conforto térmico aceitáveis, esta deve ser utilizada com “conta peso e medida”, para evitar excessos e consumos desnecessários que se refletem no aumento das faturas energéticas. Seguindo as estratégias acima referidas em casa ou no trabalho, conseguimos atingir um equilíbrio razoável entre as necessidades de conforto térmico, os custos com a energia, e o impacto individual sobre o meio ambiente.

Partilhe esta notícia