Localizado bem perto do porto de Setúbal, numa das zonas mais antigas da cidade, com uma deslumbrante vista sobre o magnífico estuário do Rio Sado, a Península de Tróia está o Museu do trabalho Michell Giacometti.

O museu situa-se numa antiga fábrica de conservas, a Perienes, que foi adquirida pela câmara municipal de Setúbal em 1991. Ali está patente ao público um importante acervo: a coleção etnográfica do próprio Michel Giacometti e peças relacionadas com profissões tradicionais da atividade marítima, construção naval, trabalhos agrícola e industria conserveira.

O objetivo principal deste espaço é a preservação e a divulgação das técnicas do Mundo do Trabalho. Existe um espaço para exposições temporárias e exposições permanentes. No espaço das exposições permanentes podemos encontrar a “Mercearia Liberdade – Um património a Salvaguardar”. Trata-se da reconstituição de uma mercearia lisboeta do início do século XX, cujo espólio oferecido pelos proprietários Á câmara municipal de Setúbal.

Acessibilidade

Para as pessoas cegas, existe uma pasta com documentos em braille organizada pelo Grupo de acessibilidade em Museus (GAM). Este documento pode ser requisitado na receção.

Na concepção do edifício foi tomado em consideração a questão da acessibilidade, essencialmente motora. Existem rampas, um elevador com portas suficientemente largas para cadeiras de rodas e carrinhos de bebé, as portas dos diferentes espaços técnicos são duplas. Por motivos orçamentais, o museu não dispõe um sistema de visita em áudio-guia.

 

Michel Giacometti

Michel Giacometti, nasceu em Ajaccio, na Córsega, França, em 1929. Durannte a adolescência descobre o seu gosto pelas Letras e pelas Artes, fundando várias revistas da especialidade.

Em 1956, após ter terminado a licenciatura em Letras e Etnologia na Universidade da Sorbonne, inicia uma campanha com o objectivo de recolha de elementos etnográficos das ilhas do Mediterrâneo, que nunca acabou por concluir .

A sua ligação a Portugal é feita através a sua mulher, Isabel Ribeiro. Em 1959,estabelecem-se no nosso país. Desde logo, Michel começa, desde logo, a trabalhar na recolha dos registos sonoros e de outras peças etnográficas do nosso país. De todos os trabalhos, o que lhe traz maior visibilidade é o programa “Povo que ainda Canta” exibido em 1970, na RTP( Rádio e Televisão Portuguesa).

No ano de 1985 o Estado português adquire o arquivo sonoro de Michel Giacometti. 1987, morre o etnógrafo francês e fica sepultado na localidade alentejana de Perogurada, distrito de Beja.

 

Contactos:

Largo dos Defensores da República,

2910 Setúbal,

Portugal

 

Telefone: (+351) 265 537 880

Fonte:

www.memoriamedia.net

 

www.cm-setubal.pt

 

www.mnetnologia.wordpress.com

 

Agradecimentos

 

Jean-Jaques Pardete

 

Por: Francisco do Livramento José

Licenciatura em Turismo pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

 

Siga-me em: www.accessibleheritage.blospot.pt e em www.facebook.com/accessibleheritage

Partilhe esta notícia