Na sequência do acidente com uma aeronave C-130H, ocorrido a 11 de julho de 2016, na Base Aérea N.º6, no Montijo, a Força Aérea informa que:

O militar com lesões graves continua internado no Hospital de São José, em Lisboa, encontrando-se estabilizado. Mantém-se, porém, o prognóstico reservado. Os três feridos ligeiros, assistidos no Hospital das Forças Armadas, receberam alta hospitalar durante a tarde de ontem.

 

Considerando as conclusões preliminares da Comissão Central de Investigação da Força Aérea, e face às informações entretanto veiculadas por alguns órgãos de comunicação social (OCS), esclarece-se o seguinte:

 

O acidente ocorreu durante uma missão de treino para qualificação da tripulação, ainda na corrida de descolagem, sem que esta se tenha verificado. Da parte da tripulação, não houve reporte de qualquer situação de emergência. A aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total.

 

Os quatro militares que conseguiram sair da aeronave após a sua imobilização fizeram‑no pelos seus próprios meios, não tendo, em qualquer momento, regressado ao avião. Foi posteriormente confirmada a presença das três vítimas mortais no interior da aeronave.

 

As questões de natureza técnica avançadas por alguns OCS como causa do acidente têm, neste momento, caráter especulativo, na medida em que, da investigação em curso, não resultou ainda qualquer conclusão neste âmbito.