Na semana em que se comemora o dia internacional da pessoa com deficiência, impera a necessidade de uma profunda reflexão sobre essa realidade no nosso concelho.

Almada dispõe, de facto, de instituições que fazem um excelente e meritório trabalho na causa da deficiência, lutando todos os dias por oportunidades e direitos de uma população por  vezes tão discriminada, e acima de tudo, esquecida.

Existem, no entanto, inúmeras barreiras arquitectónicas e que dificultam a vida da pessoa com deficiência, que por vezes se vê impossibilitada de realizar tarefas quotidianas, devido à forma como a acessibilidade foi projectada e construída no nosso concelho.

É necessária uma verdadeira reabilitação do espaço público, de forma a integrar totalmente qualquer cidadão. O orçamento para 2019 com cerca de 1 milhão de euros para a reabilitação e requalificação do espaço público, deve ter em conta também, um verdadeiro espaço desenhado para facilitar as pessoas com variadas incapacidades e deficiências permitindo um usufruto desses espaço em harmonia e igualdade com os outros cidadãos.

Vê-se ainda como um factor positivo a assinatura do protocolo entre o município de Almada e Instituto Nacional de Reabilitação (INR) para a criação do denominado Balcão Inclusivo que ajudará as pessoas com dificuldades de locomoção a ter um acesso mais adequado aos vários serviços em Almada.

A deficiência não deve, a meu ver, ser encarada como um tema tabu, mas sim, encarado com verdade e frontalidade, pois só assim se encontrarão verdadeiras soluções para quem, que de alguma forma, vê as suas capacidades físicas, intelectuais, ou ambas, diminuídas.

Cabe a cada um de nós e em particular ás forças políticas, colocar esta temática no topo das prioridades e pugnar por um concelho verdadeiramente inclusivo, sem excepções.

 

Sara Machado Gomes

Presidente do CDS-PP Almada 

Partilhe esta notícia