Perante um Auditório Municipal António Chainho repleto, o Presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, deixou, na sessão de abertura do 2.º Encontro de Médicos Internos do Alentejo – que se realizou em Santiago do Cacém, nos dias 1 e 2 de outubro – um forte incentivo aos jovens profissionais para, no final do internato, se fixarem no Alentejo Litoral.

“Optem pelo Alentejo e optem, em particular por ficar aqui no Alentejo Litoral. Posso-vos garantir que esta é uma excelente região para viver, com uma qualidade de vida que não é nada inferior aos grandes centros urbanos”. Este não foi o único argumento usado por Álvaro Beijinha para seduzir os jovens médicos a optar pelo Alentejo Litoral e pelo Município de Santiago do Cacém em particular. As condições dos equipamentos e a singularidade das gentes locais foram também apontados pelo Presidente da CMSC como fatores a ter em conta. “Temos um hospital moderno. O que nos falta são recursos humanos, em particular médicos. Temos também uma população acolhedora e que certamente vos tratará e acolherá sempre de uma forma carinhosa e fraterna”. Álvaro Beijinha deixou ainda a total disponibilidade da Câmara Municipal para “parcerias nos vários projetos que queiram ver desenvolvidos nesta área”, manifestando uma firme vontade em ter “um Município ativo e com uma população saudável”.

A sessão de abertura contou também com as intervenções de José Robalo (Presidente da ARS Alentejo), de Beatriz Mourato (representante dos Médicos Internos) e do Secretário de Estado Adjunto do Ministério da Saúde, Fernando Leal da Costa, que considerou “significativo o número muito grande de internos” que se deslocaram a Santiago do Cacém, deixando uma palavra de apreço para o papel dos jovens médicos. “Os internos têm não só um papel muito importante na prestação de cuidados, com a qual vão aprendendo, mas acima de tudo em estimular quem ensina, porque, se isso não for feito, a tendência natural é para que a instituição não se refortaleça no seu princípio importante de renovação”, destacando aquilo que considera ser “uma boa escolha ao terem decidido fazer o internato no Alentejo”.

O internato médico realiza-se após a licenciatura em Medicina e corresponde a um processo único de formação médica especializada, teórica e prática, tendo como objetivo habilitar o médico ao exercício tecnicamente diferenciado na respetiva área profissional de especialização.

O 2.º Encontro de Médicos Internos do Alentejo, promovido pela Comissão Regional de Internato Médico (CRIM), em parceria com Administração Regional de Saúde do Alentejo teve como objetivo proporcionar uma oportunidade única de interação e troca de experiências entre médicos de diversas especialidades e de diferentes anos de Internato. O evento foi dirigido a todos os médicos internos colocados nos quatro distritos da Região de Saúde do Alentejo, aos seus orientadores, bem como a outros profissionais de saúde direta ou indiretamente ligados ao internato médico.