Animais  Anónimos 

Muito se falou nestes últimos 2 anos acerca da prática da eutanásia nos canis, para fins de controlo populacionais.
De facto, diz-nos a Lei 27/2016 de 23 de Agosto que a partir de 23 de Setembro de 2018, esta prática é proibida, tendo tido os Centro de Recolha Oficial, cerca de 2 anos para a implementação de condições técnicas para o cumprimento desta norma legislativa, ou seja, só se pratica a eutanásia em animais desde que existam justificações clínicas ( físicas e comportamentais ) .

Nestes últimos meses falou-se e ouviu-se falar na quantidade de animais eutanasiados em canis municipais. Na sobrepopulação e sobrelotação destes. Que os serviços competentes estariam a aproveitar as últimas oportunidades para esta prática utilizando desculpas para os abates em massa.
Associações, Movimentos de Amigos dos animais, Cidadãos Anónimos, todos se juntaram para “apontar o dedo “, para divulgar números, histórias e até para fantasiar sobre assuntos muito graves.

Pergunto eu, se estes “ Amigos dos Animais “ tão preocupados e dedicados fiscalizam os Centros de Recolha Oficial, quem “ Fiscaliza “ as associações, os albergues e abrigos, os terrenos sem condições apinhados de animais ?
Concretamente, não sabemos quantos animais são eutanasiados à guarda das Associações. Desconhecemos números, casos, motivos ou justificações, porque estes “Amigos dos Animais” não fazem alarido sobre esse assunto, apenas desviam os olhares curiosos para os outros.

Afinal a lei é para ser cumprida apenas pelas Entidades Oficiais e não pelos outros ?

Quantos animais mortos à guarda das associações são entregues nos canis municipais para incineração ?

Quantos animais são eutanasiados à guarda das associações sem que estas prestem algum tipo de esclarecimento ?

Quantos animais, anónimos, invisíveis, incógnitos, desaparecem à guarda dos “amigos dos animais “ ?

Entidades Oficiais, como os Centro de Recolha são obrigados a informar números, a dar esclarecimentos e justificações, os outros, … Fica na imaginação de cada um de nós !

Tânia Afonso 

Partilhe esta notícia