Apartidariamente falando, e enquanto cidadão Barreirense muito me desiludiu  a posição de quem gere os destinos do nosso Concelho face á hipotética construção de um novo aeroporto no Montijo a apenas menos de 300 metros em linha reta da nossa estagnada Cidade. A figura a que nós Barreirense nos  prestámos na pessoa de quem compete gerir os destinos da nossa autarquia, fomentar emprego, desenvolvimento e fixação de população, no programa prós e contras da RTP na passada segunda-feira , foi simplesmente na senda da velha e conhecida expressão de “o Rei vai Nú”, num registo sem argumento e apenas porque sim. Foram estes os argumentos vazios de conteúdo que todo e qualquer Barreirense se deve questionar. Sim…não precisamos de nada, não queremos nada, ponham lá isso no campo de tiro de Alcochete longe daqui!!! Ora vejamos com um raciocínio abrangente, direto, e sem qualquer tipo de credo ou facciosismo. Independentemente do Ruído, das Aves, da segurança, dos custos das acessibilidades  ou de todos os prós e contras que politicamente ou egoistamente poderemos ou não individualmente argumentar, sobre de quem é a ideia, a concretização ou ainda os “louros” de uma obra, que só pode beneficiar o nosso Concelho e a nossa Cidade. Alcochete é mais perto ou terá mais impacto no nosso Concelho em relação ao Montijo? Não, claro que não! Seria zero pelo menos nos próximos 30 anos se fosse essa a opção!

A 300 metros em linha reta deste novo investimento poderemos ter e beneficiar de parte da criação de mais de pelo menos 10.000 postos de trabalho, de obras e acessibilidades, que direta ou indirectamente permitem dinâmica e desenvolvimento a Empresas Locais, de oportunidades de negócio nos próximos  anos. Fruto da expansão que tal investimento acarreta expectarmos a médio prazo uma ligação rodo/ferroviária direta  á imediação do novo aeroporto, a expectar um crescimento da oferta de alojamento, á valorização das nossas infraestruturas, á criação de hostels, hotéis e zonas novas de comércio e serviços nos locais adjacentes á Baia do Tejo, a trazer empresas para a nossa envolvência industrial, á expansão dos TCB (quiçá até ao novo aeroporto por uma ponte de apenas 500 metros a construir), á reabilitação da nossa linha ferroviária como cidade de ligação á linha do sul, e se, se, também não deitarmos fora o investimento do terminal de contentores, apenas e mais uma vez porque sim, pensarmos que quando o aeroporto de Lisboa estiver saturado e este do Montijo que hoje não queremos, se possa  tornar o principal aeroporto da Cidade de Lisboa, ou em alternativa um terminal de Carga aérea. Sem esta obra nesta localização nada disto serve tão pouco para sonhar.

Não nos compete a nós Barreirenses, defender, antecipar ou julgar o que tem que ser defendido por pilotos na questão da segurança, ambientalistas na questão das aves e do ruído, governo na questão do custo/beneficio,  ordem dos Engenheiros ou LNEC na questão da obra e infraestrutura, etc, compete-nos defender o que melhor serve os interesses do Barreiro, ou seja, um investimento do qual o Concelho beneficie quase no imediato e que nos dê esperança futura.

Lamentavelmente, não vi,  não vejo, a defesa deste projecto por quem tem a responsabilidade e obrigação de o fazer. É urgente dar esperança ao Barreiro e que Independentemente das aves, do ruído, dos interesses, dos estudos que estão para vir, bem como da opinião dos partidos, temos obrigação de agarrar e defender.

A falta de visão de quem tem obrigação de dinamizar,  e que nos continua a vetar ao degredo de uma cidade sem luz, imaginação ou progresso,  brincando a um faz de conta que está tudo bem, põe-nos em risco de uma vez mais ficarmos como estamos…sem nada nem futuro. Ao menos deixem-nos sonhar!

Sérgio Palaio

Cidadão Barreirense

Partilhe esta notícia