De 25 a 30 de junho, o Montijo vai celebrar a sua “festa maior”, com seis dias de programação continua e propostas para todos os públicos, numa agenda que integra mais de oito dezenas de iniciativas gratuitas que se espalharão por toda a cidade, que vão desde a música ao desporto, passando pelas tradicionais largadas, procissões, arraias e bailaricos, e terão o seu auge na noite de 30 de junho, com o concerto dos Amor Eletro, seguido do Espetáculo Multimédia e Fogo-de-artificio Piromusical com a tradicional Queima do Batel na Zona Ribeirinha do Montijo.

Entre a abertura e o encerramento, estão previstos dezenas de espetáculos, sempre de entrada livre, nos sete palcos que serão montados em vários pontos da cidade, com destaque para o concerto do G Amado, autor do HIT “Mulher Perfeita”, no dia 28 de junho, às 22h30, no palco Dance Fusion. Durante os seis dias de festa, há, ainda, bailes em ruas e largos no centro histórico. Um deles é itinerante e acontece no dia 26 de junho, sexta-feira, a partir das 22h30, pelos vários pátios, dinamizado pelos grupos “Sinfonia e Tradições”, “Sinfonia ao Luar” e “Orquestra de Canto” da Escola Sinfonia e Eventos.

Presentes nas raízes dos montijenses, as marchas populares saem à rua na noite de 28 de junho. A primeira exibição acontecerá no cruzamento da Avenida Luís de Camões com a Avenida dos Pescadores. As marchas desfilarão, de seguida, pela Avenida dos Pescadores – junto ao Mercado Municipal, terminando a noite na Praça da República.

Este ano, participam a Marcha Popular de Sarilhos Grandes; a Marcha Popular dos Reformados e Pensionistas do Montijo; a Marcha Infantil Semeando o Saber; a Marcha Infantil Espaço Verde, e, ainda, as Marchas alfacinhas da Bica e da Graça.

O Montijo é afamado pelas suas tradições da Festa Brava, com touradas e largadas de touros muito apreciadas, imprescindíveis, por isso, das festas mais características do município, nesse sentido, estão também programadas oito largadas, três entradas e uma corrida de touros – na qual irão participar J. Moura Caetano, João Moura JR e Bastinhas JR -, que prometem fazer as delícias de os mais afoitos.

Uma das novidades desta edição é que os montijenses este ano vão poder assistir, gratuitamente, a um dos momentos mais emocionantes das Festa Populares de São Pedro, a Procissão Fluvial, a bordo de um Catamarã da Transtejo. Acompanhando, desta forma, a imagem de São Pedro do Cais dos Vapores até ao antigo cais citadino (Cais das Faluas), terminando o cortejo na Igreja Matriz.

Do programa esta segunda-feira apresentado consta ainda, entre outras iniciativas, O Grande Churrasco (26 de junho, a partir da 00h00), ou seja, uma noite de comes e bebes. De acordo com o presidente da Comissão de Festas, José Manuel Santos, “serão espalhados cerca de 22 fogareiros entre a Rua Joaquim de Almeida e o Bairro dos Pescadores e distribuído, consequentemente, uma tonelada e meia de carne oferecida pela Raporal/Stec e vinho oferecido pela Adega Cooperativa de Pegões”.

A 28 de junho decorre, na Base Aérea n.º 6, a abertura da Base ao público com exposição de aeronaves, atividades operacionais, demonstrações cinotécnicas e outras iniciativas. Este evento coincide com a celebração do 63.º aniversário da Força Aérea Portuguesa.

Questionado sobre as expectativas em termos de público para esta edição, José Manuel Santos, afirmou que “a tendência é para aumentar” e, por isso, esperam a visita de cerca de “300 mil pessoas”. Em 2014, visitaram as Festas Populares de S. Pedro cerca de 200 mil pessoas.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, as Festas do Montijo de 2015 contam com um orçamento de “cerca de 150 mil euros”, associando-se o apoio de patrocinadores. “De 2013 para 2014 duplicamos o valor do apoio e este ano voltámos a aumentar e vamos aumentar, simultaneamente, o apoio a todas as festas populares do concelho do Montijo, de forma a preservarmos as tradições e, no sentido lato, a cultura montijense”, explicou o edil.

Nuno Canta disse durante a apresentação da programação das festas que estas são uma montra das “manifestações populares das gentes do Montijo” e “um ponto de encontro de culturas e de pessoas”.

“A cultura é das questões mais importantes que temos na nossa vida, porque é a cultura que nos dá forma, que nos orienta e que nos liga à cidade a que pertencemos. A cultura é o elemento fundamental da nossa história e nós temos uma cultura própria e é isso que pretendemos celebrar”, frisou o autarca, acrescentando que é “em nome do povo que a cidade honra São Pedro, festeja a classe piscatória e celebra a cultura tauromáquica e os arraiais”.

Partilhe esta notícia