Os autarcas do PSD do Montijo acusam o presidente da Câmara Municipal, Nuno
Canta, de esconder os  relatórios das entidades oficiais que regulam o
sector das águas em Portugal  (ERSAR).

Segundo os social-democratas, os dois relatórios são de 2009 e 2010 e
recomendam aos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS)
profundas alterações nos procedimentos de cobrança, revelando que se cobra
a mais o preço da água, e que a cobrança das águas residuais é abaixo do
valor real.

“A consequência é que os consumidores pagam um valor da água superior ao
real  e os SMAS estão a acumular sucessivos prejuízos. Estes prejuízos
poderão ser maiores  que o declarado em razão das contas dos SMAS  não
serem credíveis”, explicam.

Os autarcas do PSD sublinham que estes serviços, sempre liderados por Nuno
Canta, nunca implementaram as recomendações da autoridade (ERSAR), não
reformulando o tarifário e  não  facturando a água consumida pelos vários
serviços da autarquia.

“Nuno Canta limita-se a executar pequenos actos de cosmética, agravando a
situação financeira dos SMAS e o custo da água”, apontam, acrescentando que
“a má gestão financeira e operacional criou um prejuízo de cerca de 250 mil
euros, só em 2013, arrastando os serviços para uma situação de total
insustentabilidade  financeira”.

Os social-democratas defendem o “afastamento” da actual gestão dos SMAS,
escolhida por critérios partidários e não de competência, e contratar
profissionais do sector que “custarão seguramente  ao erário público menos
que os actuais quadros do PS”.

Partilhe esta notícia