1. SITUAÇÃO

No seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado hoje, dia 20 de novembro, no Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), salienta-se para os próximos dias:

  •   Acentuada descida das temperaturas, mas significativa amanhã (21/11) mantendo-se a tendência de descida para os dias seguintes, com máximas a rondar 6-9oC nas regiões do interior e 10-15oC nas regiões do litoral. As temperaturas mínimas a situarem-se abaixo dos 0oC nas regiões do interior Norte.
  •   Vento a soprar moderado a forte (<45 Km/h) do quadrante Norte com rajadas da ordem de 80 a 85 Km/h, respetivamente no litoral Oeste e nas terras altas, até meio da tarde de amanhã (21/11). A tendência será para diminuição da intensidade do vento no domingo (22/11).
  •   Possibilidade de formação de gelo e/ou geada nos vales mais abrigados do interior.
    As características de tempo frio, associadas ao vento que se fará sentir aumentarão asensação de desconforto térmico na população.Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS

Face à situação acima descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:

  •   Piso rodoviário escorregadio devido à formação de geada, em especial nas regiões do interior;
  •   Intoxicações por inalação de gases, por inadequada ventilação, em habitações onde se utilizem aquecimentos com lareiras e braseiras;
  •   Incêndios em habitações, resultantes da má utilização de lareiras e braseiras ou avarias em circuitos elétricos;
  •   É necessário especial atenção aos grupos populacionais mais vulneráveis, crianças, idosos e pessoas portadoras de patologias crónicas e população sem-abrigo.

3. MEDIDAS PREVENTIVAS

A ANPC recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente:

  •   Especial atenção aos aquecimentos com combustão (ex. braseiras e lareiras), que podem causar intoxicação e levar à morte;
  •   Que se assegure uma adequada ventilação das habitações, quando não for possível evitar o uso de braseiras ou lareiras;
  •   Que se evite o uso de dispositivos de aquecimento durante o sono, desligando sempre quaisquer aparelhos antes de se deitar;
  •   Que se tenha em atenção a condução em locais onde se forme gelo na estrada, adotando uma condução defensiva;
  •   Especial atenção por parte das famílias e vizinhos, e das redes sociais de proximidade, com as situações de pessoas idosas e em condição de maior isolamento.A Direcção-Geral da Saúde recomenda a adoção das seguintes medidas (www.dgs.pt):
  •   Que se evite a exposição prolongada ao frio e às mudanças bruscas de temperatura;
  •   O uso de várias camadas de roupa, folgada e adaptada à temperatura ambiente;
  •   A proteção das extremidades do corpo (usando luvas, gorro, meias quentes e cachecol);
  •   A ingestão de sopas e bebidas quentes, evitando o álcool que proporciona uma falsa sensação de calor;
  •   Especial atenção com a proteção em termos de vestuário por parte de trabalhadores que exerçam a sua atividade no exterior, e evitar esforços excessivos resultantes dessa atividade.
Partilhe esta notícia