Bancos Alimentares em campanha de recolha de alimentos no próximo fim-de-semana.

40.800 voluntários vão estar em 1.955 lojas de todo o país.

Doações podem também ser feitas na internet ou através de vales disponíveis em supermercados e nas bombas de gasolina.

Os Bancos Alimentares Contra a Fome vão realizar no próximo fim-de-semana (31 de Maio e 1 de Junho) uma campanha de recolha de alimentos com a qual pretendem mostrar que é possível recorrer a receitas simples para acudir a problemas graves e emergentes que afectam muitas famílias portuguesas a braços com carências alimentares.

Durante o fim-de-semana, a campanha cerca de 40.800 voluntários vão marcar presença em quase 2.000 estabelecimentos comerciais de todo o país, convidando à participação na campanha.

“Os portugueses conhecem e confiam nesta receita simples, que consiste em somar pequenas contribuições individuais para alcançar um todo muito significativo, que permite minorar carências crescentes e comprovadas de muitos concidadãos nossos, que doutro modo ficariam completamente desapoiados; por isso, contamos com o apoio e com a solidariedade de todos.”, considera a presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, Isabel Jonet.

Esta campanha vai estar presente em lojas de todo o país (Lisboa, Porto, Évora, Coimbra, Aveiro, Abrantes, Setúbal, S. Miguel, Cova da Beira, Leiria-Fátima, Oeste, Algarve, Portalegre, Braga, Santarém, Viseu, Viana do Castelo, Terceira, Beja, Madeira e Castelo Branco). Os voluntários estarão devidamente identificados à porta dos estabelecimentos comerciais que colaboram com a causa, convidando os portugueses a associarem-se a uma causa que já conhecem, doando alimentos para quem mais precisa.

Entre 30 de Maio e 8 de Junho, será também possível contribuir na campanha “Ajuda Vale”, que tem o lema “uma ajuda que não pesa mas vale”. Para tanto, basta pedir um vale com um código de barras específico para os produtos para o Banco Alimentar nas caixas dos supermercados.

Estes vales estarão também, e pela primeira vez, disponíveis em mais de 300 postos de abastecimento de combustível da GALP, BP e CEPSA, que aderiram entusiasticamente a esta acção de solidariedade transformando os seus colaboradores em voluntários pela causa da luta contra a fome.

A par da campanha de recolha de alimentos em supermercados, o Banco Alimentar disponibiliza ainda uma plataforma eletrónica em www.alimentestaideia.net para doação de alimentos e com o objetivo de permitir a participação na campanha de pessoas que habitualmente não se deslocam ao supermercado ou que residam fora de Portugal, nomeadamente os emigrantes.

Primeira recolha de alimentos em Angola

Outra novidade desta campanha consiste na realização, pela primeira vez na República Popular de Angola, de uma acção de recolha de bens idêntica, o que representa um novo passo no processo de lançamento de Bancos Alimentares noutros países de língua oficial portuguesa com o duplo objectivo de minimizar carências e lutar contra o desperdício de alimentos.

Num contexto de dificuldade, maior solidariedade

Com uma campanha publicitária interpelativa, o Banco Alimentar conta, desta vez, com o contributo de conhecidos mestres de cozinha que sublinham a simplicidade da receita e desafiam assim os portugueses a fazerem novamente parte da solução: “Ajudar”

De acordo com os dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, em 2013 foram apoiadas 2.254 instituições de solidariedade que entregaram os produtos alimentares a mais de 375 mil pessoas, sob a forma de cabazes de alimentos ou refeições confeccionadas, num total de 23.811 toneladas de alimentos (com o valor estimado de 33.935 milhões de euros), uma média diária de 95 toneladas por dia útil.

Recolha local para uma campanha nacional

Durante os dias 30 e 31 de Maio, a campanha decorre nos moldes habituais: voluntários, devidamente identificados convidam as pessoas que vão às compras à entrada dos estabelecimentos comerciais e ajudam no transporte e na arrumação dos alimentos nos armazéns dos 21 Bancos Alimentares em actividade.

Participar na campanha é simples, bastando aceitar um saco do Banco Alimentar onde colocar alguns bens alimentares – de preferência produtos não perecíveis (leite, conservas, azeite, açúcar, farinha, massas, etc.) – que possam ser distribuídos por quem mais precisa.

No final, o resultado é distribuído localmente – ainda com recurso ao voluntariado – a pessoas com carências alimentares, por intermédio de 2.254 instituições de Solidariedade Social, previamente seleccionadas e acompanhadas ao longo do ano. Este é um modelo de intervenção que permite uma maior proximidade entre quem dá e quem recebe e um trabalho em rede de inclusão social.

Para mais informações sobre a campanha, contactar:

Banco Alimentar Contra a Fome: 91 900 02 63 – 21 364 96 55 – www.bancoalimentar.pt

Partilhe esta notícia