O quartel sede dos Bombeiros Voluntários do Barreiro – Corpo de Salvação Pública acolheu uma sessão de esclarecimento sobre a doença por vírus Ébola no passado dia 28 de outubro. A iniciativa, que partiu do Comando da Corporação, teve como principal objetivo dotar os operacionais dos conhecimentos necessários sobre o atual surto da doença por vírus Ébola.

A sessão contou com as intervenções do Dr. Rui Gomes, médico da Unidade de Cuidados Intensivos e tripulante da Viatura Médica de Emergência e Reanimação do Hospital Garcia de Orta, bem como de elementos do staff médico e de enfermagem e do Comando do próprio Corpo de Bombeiros.

“Visto que os Bombeiros atuam na linha da frente da Emergência Pré- Hospitalar, estão particularmente sujeitos ao risco de exposição a doenças infectocontagiosas. Este facto, aliado à elevada taxa de mortalidade que caracteriza a doença por vírus Ébola, levou a que os BV Barreiro – CSP desenvolvessem e implementassem um plano de emergência interno para esta doença, apresentado nesta sessão”, explicam em nota.

O plano de contingência dos BV Barreiro – CSP, alicerçado nas orientações da Direção Geral de Saúde, determina os procedimentos a seguir na abordagem a um caso suspeito, no sentido da sua identificação precoce e adequado encaminhamento, bem as normas referentes ao Equipamento de Proteção Individual indicado e às medidas de autoproteção por parte do Bombeiro.

As medidas implementadas através do plano de contingência incluem “o apetrechamento de todas as ambulâncias de socorro com kits de proteção individual, estando todos os operacionais a serem treinados nos procedimentos de utilização do kit”.

Para além dos elementos do Quadro Ativo do Corpo de Bombeiros Voluntários do Barreiro – CSP, a sessão contou com a presença da Direção da AHBV Barreiro – CSP, um representante do Serviço Municipal de Proteção Civil do Barreiro, dos presidentes das Juntas de Freguesia da área de atuação dos BV Barreiro, de elementos de vários Corpos de Bombeiros do distrito, bem como da Comandante Distrital do CDOS de Setúbal, Patrícia Gaspar que, na sua intervenção, salientou a importância e o carácter pioneiro desta iniciativa.

Recorde-se que, a doença do vírus Ébola é uma doença infeciosa em que o contágio se dá através dos fluidos corporais de uma pessoa infetada, ou superfícies que tenham estado em contacto com esta pessoa (como roupas), entram em contacto com as mucosas (dos olhos, nariz ou boca, por exemplo) ou com feridas, mesmo pequenas, de uma pessoa não infetada. O contágio acontece apenas a partir da altura em que se instalam os sintomas. Não há evidência de que o vírus se propague por via aérea como, por exemplo, o da gripe.

Partilhe esta notícia