Na Reunião Ordinária Privada, de 6 de maio, foi aprovado, por unanimidade, o Voto de Pesar a Artílio Vasco Batista.

De acordo com o documento, Artílio Vasco Batista foi “um dos fundadores da Universidade da Terceira Idade do Barreiro. Homenageado pela Câmara Municipal do Barreiro com o Galardão “Barreiro Reconhecido 2013”, na área da Educação, pela sua entrega apaixonada e voluntária ao ensino que muito dignificou o Concelho do Barreiro”.

Segundo a biografia, apresentada aquando da Cerimónia “Barreiro Reconhecido 2013”, “Nasce a 25 de fevereiro de 1942, em Lisboa. Alfama vê-o crescer. Faz a primeira classe na escola “Voz do Operário”. A sua infância é marcada pela crueldade da PIDE que prende sucessivamente o seu pai e uma vez, em simultâneo, pai e mãe.

Nos anos 50, vem viver para o Barreiro. Tinha então oito anos.

Completa o ensino primário na Escola Conde Ferreira, seguindo os estudos na Escola Industrial e Comercial Alfredo da Silva. É aqui apelidado de “rebelde”, facto que, em parte, se deve ao historial de resistência de seu pai.

Na década de 60, por altura dos movimentos estudantis, é expulso da Escola após um julgamento sumário.

Vai estudar para o Liceu de Setúbal e, nessa altura, envolve-se no desporto, iniciando uma carreira de monitor de iniciação desportiva, com componente educativa.

Faz a tropa e vai para a Guiné Bissau onde é treinador e dinamizador do desporto e da cultura. Orgulha-se de ter ensinado crianças e militares a ler e a escrever português.

Além de ter feito uma carreira desportiva marcada por títulos e medalhas, como atleta e treinador, desempenhou, no Movimento Associativo, em regime de voluntariado, funções educativas, no Cine Clube do Barreiro, na Cooperativa Cultural e Popular Barreirense e no Grupo Desportivo e Recreativo da Quinta da Lomba.

Ainda no período da Ditadura, dá aulas de História Contemporânea, no Grupo Cultural de Desportivo da Sociedade Nacional de Cortiças.

Após o 25 de Abril, tenta realizar um sonho inspirado na obra de Bento Jesus Caraça. Com Augusto Cabrita, o seu pai, a sua filha e muitos outros, forma um núcleo coordenador de uma universidade popular. O projeto não chega a vingar por falta de instalações.

Anos mais tarde, a Câmara Municipal decide fundar a Universidade da Terceira Idade do Barreiro – UTIB – no ano letivo 2002/2003. É convidado a dirigir este projeto pioneiro no País.

Em Novembro de 2012, o trabalho de Artílio Batista é reconhecido pela NAUS – Núcleo de Academias e Universidades Seniores”.

Orgulha-se dos seus três filhos, cinco netos e de meio século de uma vida em comum com a sua mulher. Ela, o seu pai e o Professor José Esteves são três figuras marcantes na sua vida”.

Fonte: CMB

Partilhe esta notícia