A Câmara Municipal do Seixal aproveitou a pausa escolar de verão para proceder à beneficiação das escolas da sua responsabilidade, de forma que, com o arranque do novo ano letivo, que hoje se inicia, as crianças e jovens do concelho tenham melhores condições. Assim, o município do Seixal está a investir mais de 8 milhões de euros na renovação e requalificação das escolas de 1.º ciclo e pré-escolar, em mais de 30 estabelecimentos de ensino, com a substituição de coberturas e pavimentos, beneficiação de recreios e diversos arranjos interiores e exteriores. A Câmara Municipal do Seixal investiu também mais de 1 milhão de euros na remoção de coberturas de fibrocimento (amianto) em 14 escolas do 1.º ciclo do ensino básico, procedendo depois à colocação de novas coberturas, garantindo não só melhores condições de segurança e saúde, mas também de conforto térmico. 

A autarquia continua a exigir ao Governo a remoção do fibrocimento existente nas escolas básicas dos 2.º e 3.º ciclo e secundárias e que esses 13 estabelecimentos de ensino da sua responsabilidade sejam alvo de obras de valorização e de construção de equipamentos, nomeadamente dos cinco pavilhões desportivos escolares em falta.

Noutro âmbito, a autarquia decidiu atribuir 10 bolsas a estudantes de ensino superior no valor global de 12.500 euros e 20 bolsas a alunos do secundário no valor total de 15 mil euros. A ação social escolar do município estender-se-á também a ajudas subsidiárias na aquisição de livros, material escolar e acesso a refeições escolares que, no total, atingem os 28.504 euros.

Para o presidente do executivo, “a pandemia da covid-19 não nos pode afastar do direito universal à educação”. Joaquim Santos reforça ainda que é “importante assegurar a igualdade de oportunidades a todos os estudantes do município: igualdade no acesso aos materiais didáticos e igualdade no acesso a espaços físicos renovados e requalificados”.

A Câmara Municipal do Seixal está ainda a acompanhar as medidas e planos de contingência necessários ao regresso das crianças e jovens às escolas, em articulação com os agrupamentos escolares e autoridades de saúde locais, de modo que este regresso seja concretizado com a máxima segurança.