O Presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, esteve reunido com o Presidente do Conselho de Administração da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), José Pedro Salema, no dia 2 de junho em Beja. A possibilidade da construção de um ramal que permita o fornecimento de água do Alqueva para as barragens de Fonte Serne e Campilhas foi o tema forte do encontro.

Aquando do surgimento do Complexo Industrial de Sines, foi construído um canal que leva água do rio Sado – na zona de Ermidas-Sado − para a barragem de Morgavel, que por sua vez abastece as empresas do Complexo, e que é gerido pela Águas de Santo André. Para resolver o problema dos períodos de seca, o Alqueva vai agora fornecer água ao canal de Morgavel. Álvaro Beijinha identifica, com efeito, uma oportunidade para promover também o abastecimento das barragens de Campilhas e Fonte Serne, no Concelho de Santiago do Cacém. “Uma vez que se vai fazer esse investimento, que se possa também construir um novo canal na zona de São Domingos, com um ramal entre o canal de Morgavel e a barragem de Fonte Serne, mas que se possa estudar e se equacione também a barragem de Campilhas, de forma a que essas duas barragens possam ser abastecidas pela água de Alqueva”.

“É uma preocupação que se prende em primeiro lugar com a agricultura”, refere Álvaro Beijinha. “A Associação de Regantes de Campilhas e Alto Sado manifestou-nos esta preocupação, que tem razão de ser, uma vez que os investimentos de Alqueva entram no nosso concelho. Aquilo que defendemos é que a EDIA, em conjunto com a própria Associação de Regantes − que também está disponível para fazer um investimento −, possa avançar para esta solução”.

O Presidente da CMSC identifica duas vantagens claras no processo: “do ponto de vista da agricultura, ou seja, em anos de seca teríamos sempre a garantia que as nossas barragens manteriam uma cota que permitisse sempre a rega; e do ponto de vista turístico também era extremamente importante, pois no verão, quando a cota da albufeira desce muito, torna-se pouco apelativo”.

Oiça as declarações do Presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha

 

Fonte: CMSantiago do Cacém

Partilhe esta notícia