O deputado do CDS-PP Nuno Magalhães, eleito por Setúbal, e os deputados Hélder Amaral e Pedro Mota Soares, da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, questionaram o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas sobre o ponto de situação relativamente à construção da Rotunda do Casal do Marco.

 

Os deputados centristas querem saber se o ministro tem conhecimento da urgência na construção da referida rotunda e dos anseios das populações locais pela ausência da sua resolução, que medidas estão alocadas para a construção da rotunda e qual a previsão para o início da respetiva obra.

 

O fluxo de trânsito que diariamente atravessa o cruzamento, ao quilómetro 12,5 da EN10, e a Avenida da República e a Rua Padre Pio, é manifestamente considerável.

 

A segurança rodoviária deve ser tida em conta pelas entidades públicas responsáveis, zelando pela segurança do cidadão, contribuindo como tal para a diminuição da sinistralidade.

 

A ausência de uma rotunda no respetivo cruzamento, aliada ao facto de, quando se verificam intempéries, os semáforos aí localizados avariarem, aumenta significativamente a perigosidade para quem tem de atravessar o mesmo, congestionando em simultâneo o trânsito automóvel.

 

A Comissão de Moradores de Pinhal de Frades manifestou recentemente junto da Câmara Municipal do Seixal, através de um abaixo-assinado, o seu desagrado e a preocupação pela falta da respetiva rotunda exigindo sua rápida construção.

 

Em 2009 foi celebrado um protocolo entre as Estradas de Portugal (EP) S.A. e a Câmara Municipal do Seixal (autora do projeto), com o objetivo de solucionar o problema.

 

Dois anos depois, em 2011, para a Estradas de Portugal, a obra deixou de ser prioritária não se encontrando calendarizada.

 

A construção da rotunda irá permitir melhores acessibilidades acarretando em simultâneo uma maior segurança rodoviária e um adequado escoamento de trânsito no local.

Leia aqui a pergunta 1663/XIII/1 – pg1663-xiii-1

Partilhe esta notícia