As cefaleias e as enxaquecas são dos sintomas mais frequentemente encontrados na prática clínica, sendo causa de elevados índices de incapacidade. Poucas pessoas não vivenciaram estes sintomas em algum momento da sua vida.

Na maioria dos casos não se identificam causas fisiológicas pelo que, à luz da Medicina Ocidental, a sua origem é desconhecida, limitando a sua atuação ao tratamento da manifestação sintomática através da administração de medicamentos.

A Medicina Tradicional Chinesa tem um longo historial no tratamento das cefaleias, precisamente por conseguir explicar a disfunção energética que está na causa deste problema. A cabeça é a parte mais alta do corpo, não apenas anatomicamente mas também energeticamente. Trata-se da área do corpo com maior potencial de energia. É onde se concentra a energia yang.

O que acontece nos quadros energéticos da cefaleia e da enxaqueca é um afluxo desproporcionado de energia yang na cabeça. Este excesso energético leva a perturbações na circulação do Qi e do sangue, o que origina a dor. É necessário realizar o diagnóstico energético em Medicina Tradicional Chinesa para compreender a causa deste afluxo desequilibrado de energia yang. A prática clínica tem-nos mostrado que no mundo ocidental, as cefaleias são frequentemente caracterizadas por um desequilíbrio da energia do fígado. Este fato está relacionado sobretudo com o nosso estilo de vida, pautado pelo excesso de trabalho, o stress permanente, a alimentação pouco equilibrada e o sedentarismo.

A Medicina Tradicional Chinesa tem habitualmente bons resultados nestes quadros uma vez que, recorrendo à acupuntura e à fitoterapia, consegue reequilibrar a circulação energética. No entanto, para a manutenção desse equilíbrio é importante adotar hábitos de vida mais saudáveis, pelo que pode ser necessário recorrer à ajuda profissional no âmbito do aconselhamento nutricional e prática de exercício físico regular.

Ana Sequeira

Especialista em Medicina Tradicional Chinesa

Partilhe esta notícia