A Câmara Municipal do Barreiro e a Rumo Cooperativa de Solidariedade Social, assinaram, a 20 de fevereiro, o Contrato de Comodato, no qual o Município do Barreiro cede à referida instituição o imóvel da antiga Escola Conde de Ferreira para que sejam desenvolvidas atividades de animação sociocultural e artística no Barreiro antigo, com a participação de moradores, artistas e associações.

Na ocasião foi apresentado o projeto “Escola Conde de Ferreira – Centro de Produção e Participação Artística” dinamizado pela “Rumo” e pelas associações culturais “Hey Pachuco!” e “Out.Ra”, com o apoio da CMB.

“Um polo de dinamização da atividade cultural e de integração das pessoas da comunidade” foi assim que Carlos Humberto de Carvalho, Presidente do Município do Barreiro, definiu a futura Escola Conde de Ferreira, uma “casa” que o faz recordar a sua infância e a dos seus filhos.

Na sua opinião, o Barreiro antigo necessita de soluções multifacetadas e deseja que este novo passo seja “um elemento importante neste caminho exigente. É preciso um trabalho persistente, juntando muitos saberes e vontades”.

“Escola Conde de Ferreira – Centro de Produção e Participação Artística”

Este projeto pretende envolver saberes, experiências, diversas áreas socioculturais, diversos parceiros, populações e gerações.

Este trabalho pretende criar um espaço único, inovador, integrado num território com caraterísticas muito próprias, como o Barreiro antigo.

Em relação ao projeto apresentado, Carlos Humberto de Carvalho sente-se “muito confiante e, ao mesmo tempo, muito expectante. As associações já deram provas.”

O Presidente de Direção da Rumo, Augusto Sousa, explicou o objetivo do projeto. “O que estamos a construir hoje é um projeto que começou há muito tempo. Esperamos que a Escola seja um espaço para todos. Queremos envolver os moradores do Barreiro antigo e fazer uma reabilitação do espaço, com valores que tenham a ver com a cultura e o bem-estar das pessoas”.

Na apresentação do Projeto, Rui Dâmaso e Carlos Ramos, presidentes das associações culturais Out.Ra e Hey Pachuco!, respetivamente, desejaram que  a grande comunidade desta Escola se relacione com outros artistas do distrito de Setúbal, do País e do estrangeiro.

O modelo de gestão deste projeto contempla um Conselho de Gestão (composto pela Rumo, Out.Ra e Hey Pachuco!), uma Comissão de Acompanhamento (na qual integram a CMB, União de Freguesias do Barreiro e Lavradio e a comissão de moradores) e um Conselho Participativo (composto por artistas).

Numa primeira fase, o projeto irá contemplar a implementação e a reabilitação do espaço, através de alguns recursos financeiros, criando condições básicas para funcionar.

Numa segunda fase, será realizado um projeto total do edifício, procurando, através de candidaturas, financiamentos da União Europeia.

Pode encontrar mais informação na página de Facebook em: www.facebook.com/condedeferreirabarreiro.

Conforme o Contrato de Comodato (em anexo), a Rumo compromete-se a:

  1. Contribuir para a reabilitação do Barreiro Antigo, fomentando o envolvimento e participação dos seus habitantes em atividades culturais e de promoção do conhecimento;
  2. Formar um Conselho de Gestão tripartido, conforme projeto anexo, com a participação das entidades OUT.RA – Associação Cultural e Hey Pachuco! Associação Cultural.
  3. Designar, em conjunto com as entidades referidas no ponto anterior, os respetivos representantes no Conselho de Gestão da Escola e na Comissão de Acompanhamento;
  4. Programar as atividades adequadas à captação de públicos diversificados;
  5. Realizar as obras necessárias à adaptação do edifício à atividade objeto deste contrato, com o acompanhamento e mediante autorização expressa do primeiro contratante;
  6. Planear e promover atividades em articulação com entidades sedeadas ou que desenvolvem outros projetos naquela área geográfica, nomeadamente IPSS e escolas;
  7. Participar na dinamização de iniciativas promovidas pelo primeiro contratante sempre que sejam direcionadas para a zona do Barreiro Antigo;

O presente Contrato de Comodato é “valido por dez anos, renovando-se automaticamente por iguais períodos de tempo(…)”.

 

Fonte: CMB