Realizou-se no domingo 22 Fevereiro pelas 15 horas um plenário de militantes do PCP na Quinta do Conde, que contou com a participação de dezenas de militantes.

O PCP condena a decisão da Segurança Social de encerrar o atendimento semanal que realizava na Junta de Freguesia da Quinta do Conde bem como noutras juntas do distrito de Setúbal. Este encerramento deixa sem apoio de proximidade os quintacondensses mais vulneráveis num momento de crise nacional onde crescem as situações de emergência social. Não faz sentido que os habitantes da Quinta do Conde (que conta com cerca de 30 mil habitantes) que recorriam a este serviço e cujo o horário já era insuficiente para o número de atendimentos, (serviço que na maioria dos casos em vez de encerrar às 12:30 chegava a terminar apenas às 14:00) tenham agora de deslocar-se a Sesimbra ou Setúbal (as suas custas).

Este encerramento faz parte da estratégia deste governo PS/PSD e CDS de ataque às funções sociais do estado como é o caso do apoio social. E conta com o apoio óculo do PS que não só assinou o memorando da troika, como subscreveu todas as politicas de ataque às funções sociais do estado nas 12 avaliações da Troika.

O PCP saúda a Junta de Freguesia da Quinta do Conde e o seu executivo pela luta que iniciou contra esta medida e reivindica a criação de um gabinete da Segurança Social na Quinta do Conde.

Na área da Educação 4 grandes reivindicações do PCP na Quinta do Conde:

A necessidade do Ministério da Educação realizar rapidamente obras no piso das salas de aula do 2º ciclo na Escola Básica Integrada da Quinta do Conde que estão desde a construção da escola sem manutenção e que já põe em causa a saúde dos alunos. (Em contraste das salas de aula do 1º ciclo que tem tido manutenção regular por parte das autarquias CDU).

A necessidade de criar um quadro de pessoal na Escola Básica Integrada da Boa Agua. É inaceitável e criminoso que o Ministério a Educação tenha construído uma escola e 6 anos depois continue a recorrer a contratos CEI e não abra concursos para contratação de pessoal pondo em risco a segurança dos alunos.

A necessidade do Ministério da Educação cumprir o que prometeu aos pais, alunos e professores da Escola Básica Michell Giacometti e proceder a substituição do telhado da mesma. (o que já deveria ter sido realizado até Dezembro de 2014 de acordo com as promessas do governo).

A necessidade imperiosa de se proceder a construção de uma Escola Secundária na Quinta do Conde. Cerca de mil alunos saem diariamente da sua freguesia para estudar noutros locais, com todos os problemas sociais e económicos que dai advêm pela falta desta escola.

O PCP apela aos Quintacondenses que subscrevam o abaixo assinado pela construção da Escola Secundária da Quinta do conde que esta a ser desenvolvido pelas associações de pais em colaboração com a Junta de Freguesia da Quinta do Conde. É importante recolher mais de 4000 assinaturas para obrigar a petição a ser discutida no plenário da Assembleia da República.

O PCP contesta o Novo Mapa Judicial que afasta os cidadãos do direito à Justiça, criando cidadãos de primeira e de segunda consoante a sua capacidade económica. Não faz sentido um Quintacondense ter de se deslocar ao tribunal de Alcácer do Sal existindo um tribunal em Sesimbra.

O PCP reivindica a construção de um novo Tribunal em Sesimbra para o qual a Câmara já cedeu terreno ao respectivo Ministério.

Na área da Saúde, o PCP reivindica a construção de um novo Centro de Saúde na Quinta do Conde. A vida veio dar razão aqueles (Comissão de Utentes, PCP,…) que diziam que o Centro de Saúde deveria ter dois pisos. Por decisão do governo socialista foi retirado um piso ao projecto do Centro de Saúde e logo no dia da sua inauguração o novo director pediu a construção de um novo Centro de Saúde pois aquele que estava a ser inaugurado tinha capacidade para 15 mil pessoas numa freguesia com cerca de 30 mil habitantes.

O PCP apela aos Quintacondenses que participem no dia 5 de Março entre as 18h/20h na vigília que se vai realizar em frente ao Hospital de Setúbal na defesa do Serviço Nacional de Saúde, na defesa do Centro Hospitalar de Setúbal e pela abolição da portaria nº82/2014.

Foram ainda abordadas questões de organização do Partido com vista ao seu reforço na organização a Quinta do Conde

No plano nacional e com eleições à porta o PCP reafirma a sua disponibilidade para assumir as tarefas que o povo lhe der nas urnas reafirmando-se como a verdadeira alternativa patriótica e de esquerda.

É tempo de por fim a 38 anos de governos PS, PSD e CDS que sempre praticaram políticas de direita ao serviço dos grupos económicos contra os interesses dos trabalhadores e do povo. Para que não fique tudo na mesma é urgente uma rotura com essas políticas.

Primeiro o PS e agora o PSD e CDS vêm com a cassete de que não há dinheiro. Uma velha táctica fascista de repetir muitas vezes a mentira para levar as pessoas a acreditar. Os mesmos que fecham centros de saúde, maternidades, escolas, tribunais, cortam os salários e reformas, vem depois financiar com dinheiros públicos colégios e clínicas privadas. Só para as parcerias público privadas foram 850 milhões de euros em 2013 enquanto que aos banqueiros foram oferecidos 7500 milhões de euros só em 2013. O dinheiro existe esta é a ser retirado de onde faz falta e canalizado para financiar empresas privadas. E isto acontece apesar do Tribunal Internacional de Haia ter dado razão à Islândia que se recusou a pagar as dívidas das empresas privadas. É por isso que o PCP afirma que é necessário romper com estas politicas de direita ao serviço do capital. É urgente a renegociação da dívida, à que rejeitar o pagamento de dívida e de juros ilegítimos. O Povo português não tem que pagar as dívidas e juros do BPN, BPP, BES e de outras empresas privadas. O país não tem de ser destruído para salvar meia dúzia de bancos de uma gestão criminosa.

Feita a discussão do Projecto de Resolução Política da 9º Assembleia Regional de Setúbal do PCP passou-se à eleição dos 7 delegados efectivos e dos 7 delegados suplentes para participarem na referida Assembleia a realizar no dia 22 Março em Almada.

No final dos trabalhos foi feito o apelo à mobilização para as lutas e iniciativas que se aproximam: 28 Fevereiro Encontro Nacional do PCP em Loures; 5 Março 18h/20h vigília m frente ao Hospital de Setúbal em defesa do Serviço Nacional de Saúde e do Centro Hospitalar de Setúbal; 7 Março 15h Praça do Município, grande manifestação da CGTP-IN contra a exploração e o empobrecimento; 15 Março 13h, almoço do 94º aniversário do PCP no Centro de Trabalho do PCP na Quinta do Conde com a participação da deputada Paula Santos; 28 Março jantar em Sesimbra em local ainda por definir.

Partilhe esta notícia