COMUNICADO DE IMPRENSA

A Juventude Popular (JP) Distrital de Setúbal teve conhecimento de que, no próximo dia 19 de julho, no Parque do Rio da Figueira, em Santiago do Cacém, haverá um “convívio de verão”, às 13h, organizado pela Organização Regional do Litoral Alentejano do Partido Comunista Português (PCP). É totalmente incompreensível para esta juventude que se faça um convívio de verão partidário quando não vivemos uma época de convívios e celebrações.

A Câmara Municipal de Santiago do Cacém que distribuiu máscaras aos munícipes, álcool-gel a entidades, que cancelou todas as festividades tradicionais até setembro, de repente, caiu no esquecimento e tem o seu partido a preparar-se para conviver. Os casos de covid-19 subiram inclusivamente ontem no concelho de Santiago do Cacém, segundo informação a que a JP Distrital teve acesso, pelo que é inaceitável que este ajuntamento tenha lugar, numa altura destas. Além do mais, quando existe uma noção de que os casos no concelho de Santiago do Cacém e vizinhos, como Grândola, surgem por meio de ajuntamentos e festas proibidas e não por uma elevada circulação.

A JP Distrital de Setúbal pretende que fique bem vincada a total reprovação para um convívio que, com certeza reunirá muito mais pessoas do que aquelas que, na atual situação pandémica, serão desejáveis. Mais uma vez considera que, infelizmente, os esforços de todos os portugueses são só para alguns portugueses. Há a constatação que há dois Portugais. O que quer ultrapassar da melhor forma a situação e outro que, despreocupado, parece querer ignorar.

A posição da Juventude Popular do distrito de Setúbal vai além da cor partidária, além das divergências políticas e será por isso, tudo menos uma implicância. Um convívio, ou qualquer ajuntamento poderá ser o suficiente para dar lugar a um surto. É uma falta de respeito para com os santiaguenses e munícipes, para com os profissionais de saúde e para com todo o país.

Visando o bom senso e o cuidado por todos nós, a JP Distrital de Setúbal considera que este evento não tem motivos para existir e o mesmo devia considerar a Câmara Municipal de Santiago do Cacém. Um Partido político – seja ele qual for – deve ser um exemplo a seguir, e não a evitar.