Francisco Augusto da Silva Finura nasceu a 13 de abril de 1929. Notabilizou-se pelas inúmeras profissões que exerceu, facto que lhe valeu o título de “homem dos mil e um ofícios”, em virtude do talento em encontrar soluções técnicas para todo o tipo de desafios.

A exposição de homenagem ao “Finuras”, autodidata que se intitulava “operário especializado em trabalhos não especializados”, mostra o génio intemporal de “um homem que, um dia, num rasgo de criatividade, criou um engenho para produzir pasta de sardinha a partir de uma máquina de lavar roupa”.

Francisco Finura, falecido a 4 de setembro de 2012, aos 83 anos, era definido como uma pessoa simples, mas ao mesmo tempo com um pensamento bastante evoluído para a época.

“Finuras” era alguém que surpreendia constantemente, dotado de curiosidade ilimitada. Na memória da cidade, deixou estórias que maravilham e intrigam muitos setubalenses e que ainda hoje são perpetuadas de geração em geração.

A mostra “Francisco Finura | Um homem muito grande que vivia num mundo muito pequeno…”, patente no Museu do Trabalho Michel Giacometti até 1 de fevereiro, pode ser vista de terça a sexta-feira das 09h30 às 18h00 e aos fins de semana das 14h00 às 18h00.

 

Fonte: CMSetúbal

Partilhe esta notícia