A comunidade escolar da Quinta do Conde participou em força no cordão humano com cerca de 2,6 quilómetros, pela construção de uma escola secundária na freguesia, que ligou a Escola Básica Integrada da Boa Água, Escola Básica Integrada e Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti. A iniciativa foi organizada pelas associações de pais, com apoio da Junta de Freguesia da Quinta do Conde e Câmara Municipal de Sesimbra.

 

«A construção desta escola já estava prevista na primeira carta educativa do concelho, em 2002», sublinhou a vice-presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Felícia Costa, tendo lembrado que apesar de todas as ações promovidas pela comunidade quintacondense, Câmara Municipal e Junta de Freguesia, «os sucessivos governos foram adiando a obra numa freguesia que foi das que mais cresceu em termos demográficos nos últimos anos, e investiu em escolas noutros concelhos, que têm vindo a perder alunos».

A autarca agradeceu à comunidade o envolvimento na iniciativa frisando que «não é o último momento de luta para obrigar os governantes a perceber que a Quinta do Conde precisa, não só da escola, mas também de outros equipamentos».

 

A opinião foi partilhada pelo presidente da Junta de Freguesia da Quinta do Conde, Vítor Antunes. «A Junta está solidária e empenhada nesta luta que não é de agora. E a prova disso é que, em 23 de outubro de 2009, foi assinado um ofício dirigido à Parque Escolar a solicitar uma reunião urgente sobre este assunto mas, apesar de todas as insistências, petições e até da recomendação da Assembleia da República, em fevereiro de 2016, este assunto tarda em estar resolvido», afirmou.

 

No cordão humano participaram responsáveis pelos agrupamentos de escola da freguesia, alunos de vários graus de ensino, professores, auxiliares de ação educativa e associações de pais. «Não se admite que os nossos filhos tenham de ir estudar para fora do concelho. Além de ficarem longe de nós e perderem muitas horas em transportes, que lhes retira tempo para estudar, isto representa uma despesa acrescida para as famílias. Por isso estaremos sempre presentes nesta reivindicação», referiu Ana Vicente, representante das associações de pais.

 

O cordão juntou ainda crianças e idosos do Centro Comunitário da Quinta do Conde, Anime e muitos encarregados de educação, como foi o caso de Gilberto Nifrásio. «Vim hoje porque percebo a urgência da construção da escola. Por isso saúdo esta iniciativa», disse.

 

Pelo mesmo motivo marcou presença Emília Leite. «Partilho a preocupação dos outros pais relativamente a esta matéria porque considero que a escola é absolutamente necessária. Esta ação é, por isso, mais uma forma de pressionar os governantes para este problema», sublinhou.

 

Refira-se que a construção da nova escola secundária da Quinta do Conde está prevista para a Ribeira do Marchante, num terreno cedido pela Câmara Municipal de Sesimbra.

 

Partilhe esta notícia