A Comunidade Portuária de Setúbal (CPS) quer chamar a atenção do país para o Porto de Setúbal, uma infraestrutura que está pronta para responder ao desafio do Governo de aumentar o movimento de contentores, em portos nacionais, dos 2,2 milhões para os 6,5 milhões, até 2020. Isto sem investimento adicional.

Para dar conta das vantagens e potencialidades do porto sadino, a CPS vai realizar a conferência “Porto de Setúbal – A Resposta Imediata – uma estratégia portuária coerente”, no dia 4 de dezembro, às 09h, no Fórum Luísa Todi, em Setúbal. A sessão conta com a participação do Ministro da Economia, António Pires de Lima.

Durante a conferência, o Professor José Augusto Felício, presidente do Centro de Estudos de Gestão do ISEG, vai apresentar as conclusões do estudo “Análise comparativa de serviços de contentores do Porto de Setúbal com o Porto de Lisboa”.

Segue-se um debate que conta com a participação de José Eduardo Martins (ex-secretário de Estado do Ambiente do XV Governo Constitucional), Pedro Reis (presidente da Plataforma de Media Privados e ex-presidente do AICEP) e de Tiago Pitta e Cunha (assessor da Presidência da República para os Assuntos do Mar), moderado por Ricardo Costa, diretor do jornal Expresso.

Como pano de fundo deste debate está o facto de o Porto de Setúbal contar com aquele que é um dos maiores terminais de contentores do país, atualmente a trabalhar a cerca de 25% da capacidade neste segmento e a 50% nos segmentos de carga geral e granéis.

Nos contentores, o Porto de Setúbal movimenta atualmente 70.000 TEU [capacidade de carga de um contentor de 20 pés] por ano, quando tem investimentos feitos para uma capacidade de 250.000 TEU/ano e capacidade de expansão para chegar até um ou dois milhões de TEU/ano. Este terminal conta com a vantagem adicional de ter já ligações ferroviárias com ramais dedicados dentro dos principais terminais e com ligação direta à rede nacional, algo de verdadeiramente distintivo.

Os acessos rodoviários ao porto, sem congestionamentos de tráfego com o tecido urbano e com ligações diretas à rede nacional e transfronteiriça de autoestradas, são outras vantagens que o Porto de Setúbal quer destacar nesta conferência.

Em curso está o investimento de 12 milhões de euros para melhorar os canais de acesso aos vários terminais, de forma a manter o atual posicionamento no mercado ShortSea, acompanhando o crescimento da dimensão dos navios porta contentores, dimensionando o Porto de Setúbal numa solução ainda mais abrangente.

Partilhe esta notícia