“Não querendo ficar-se só pelas palavras, como temos visto em diversas situações,

o Conselho Regional de Lisboa, quis dar mais um passo que visa contribuir para

uma maior segurança dos Advogados”
João Massano, Presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

Nesta fase de desconfinamento, em que, por razões de saúde pública, é fundamental a observação das regras básicas de controlo da pandemia Covid-19, nomeadamente as de higienização, o Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, contribuindo para o reforço de meios ao dispor dos Advogados, disponibiliza dispensadores de álcool gel nas Salas de Advogados dos Tribunais.

“Não querendo ficar-se só pelas palavras, como temos visto em diversas situações, o Conselho Regional de Lisboa, quis dar mais um passo que visa contribuir para uma maior segurança dos Advogados”, afirma João Massano.

A colocação de dispensadores iniciou-se esta semana, nas 3 Salas de Advogados do Tribunal de Cascais e nas 2 salas de Advogados do Tribunal de Sintra, seguindo-se na próxima semana, a Sala de Advogados do Tribunal de Oeiras.

Em estreita articulação com as Delegações, e de acordo com o levantamento das necessidades efetivas, o Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados continuará a disponibilizar este equipamento nas Salas de Advogados dos Tribunais que servem as suas delegações, tanto na margem norte, como na margem sul do Tejo.

Relembra o Conselho Regional de Lisboa que esta medida se junta a outra tomada no início da pandemia, que constou da entrega de máscaras de proteção individual e álcool gel em todas as 22 delegações deste conselho, de modo a servir os advogados envolvidos nas diligências.

Como tem dado nota João Massano, presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, “Aos Advogados têm sido negados de grande parte dos apoios conferidos a outras classes profissionais, sendo, por isso, incompreensível que os Tribunais forneçam EPIs a todos os intervenientes presenciais nas ações,excluindo os Advogados, a quem é exigido, em alguns Tribunais, o valor de 1€ por cada máscara”.