Eis que chegámos ao fim de mais uma época de futebol. E, para gáudio dos Benfiquistas e Sportinguistas, acabou da melhor forma: com a vitória da Taça da Liga e da Taça de Portugal, respetivamente. Este ano o Benfica arrecadou três troféus: a Supertaça, o Campeonato Nacional e a Taça da Liga. O Sporting arrecadou a Taça de Portugal. E o Porto… Bom… Arrecadou as esperanças de ganhar alguma coisa este ano. O Estapafúrdios do Quotidiano falou com os três grandes protagonistas deste final de época e perguntou-lhes o que lhes ia na alma…

1.º – Jorge Jesus

Surpreendemos Jorge Jesus na Costa da Caparica, ao sair do restaurante “O Barbas”, e perguntámos-lhe a sua opinião sobre este final de época. (Ou, mais propriamente dito, sobre todos os troféus que ganhou.) J.J. abriu-nos o coração e disse-nos o seguinte:

«Epá, eu estára muito feliz. Primeiro, porque acabei de almoçar um belo de um arrozinho de peixe, aqui, no restaurante do mê amigo Barbas. Não é que o arroz seja alguma coisa de jeito, mas como é à borlix, um gajo tem sempre de dizer que era bom, né verdade?! É mais ou menos como o Júlio César. Eh! Eh! Eh! Mas agora falando mais a sério, eu estára muito feliz por ter ganhado tudo o que havia a ganhar em Portugal. Eu ganhára a Supertaça. Eu ganhára o Campeonato Nacional! Eu ganhára a Taça da Liga. E até ganhára a Taça de Portugal! Eu só nã ganhára a Champions e a Liga Europa, porque eu sêra um treinador ambicioso, e só querêra ganhar grandes competições. Como? Quem ganhára a Taça de Portugal têra sido o Sporting? Atã mas nã faz mal porque eu para o ano que vem estára lá no Sporting e eles já me prometerem que ma darem a Taça. Bom, agora deixárem-me ir embora, que tenho de ir ali á água que estára a rasquinha…»

(Este tipo tem cá uma lata… Come “à pala” e ainda se queixa. Espera lá que, se fores para o Sporting, o Bruninho põe-te na linha… Ai põe, põe! Ali ninguém come a mulher dele e fala mal depois!)

 

2.º – Bruno de Carvalho

Aproveitámos que estávamos na Costa da Caparica e fomos dar um pulinho até à praia. Coincidência ou fruto do destino, o certo é que encontrámos o Bruno de Carvalho acompanhado de Mustafa, os dois enrolados (Ups… Queremos dizer: estendidos) na areia a apanhar banhos de sol.

«”Só eu sei… Porque não fico em casa! Lá, lá, lá, lá, lá! Força Sporting allez, lá, lá, lá!” Hã? O quê? Quem são vocês? Adeptos do maior clube do mundo? Ah, então querem autógrafos? O quê? São do Estapafúrdios do Quotidiano? O que é isso? Mais uma claque do maior clube do mundo, não? Hum, querem o quê? Saber o que me vai na alma depois da conquista da Taça de Portugal? Ó, meus amigos. O que é que acha que me vai na alma? Nós acabámos de ganhar a mais importante competição do mundo! Obviamente que o que me vai na alma é que somos os maiores. Com esta vitória é que ninguém nos pára. Para o ano até vamos contratar grandes jogadores… Incluindo o Ronaldo e o Messi. E se vamos contratar esses dois, é claro que vamos jogar muito à bola. E se vamos jogar muito à bola, é óbvio que vamos ganhar muitos jogos. E se vamos ganhar muitos jogos, é óbvio que vamos ganhar todas as competições em que entrarmos. Deixo já aqui a promessa que, para o ano, vamos ganhar tudo! Incluindo a Liga Europa e a Liga dos Campeões! Para o ano, meus amigos, isto ééééé tuuuuuudo nooooosso! Não é assim, Mustafa?! Ei, que é isso que tens no tornozelo, pá? Não achas que é mariquice um homem da tua idade andar com pulseiras no tornozelo?! Mustafa faz-te um homem, pá… Eh! Eh! Até rimou.»

(Hum… Por este andar, para o ano que vem, o Sporting arrisca-se mesmo a ganhar tudo. Até o Mundial e o Europeu… Olha, quem sabe se o Bruninho não ganha também uma pulseira igual à do Mustafa.)

 

3.º – Sérgio Conceição

Estávamos a sair da praia, quando nos deparámos com uma enorme algazarra junto de uma roloute de gelados. Assim que nos aproximámos constatámos que se tratava de Sérgio Conceição, que estava à bulha com o vendedor de gelados. Quando finalmente o conseguimos acalmar ele partilhou connosco os motivos da sua fúria.

«Aquele animal! Mas ele pensa que está a falar com quem, hã? A perguntar-me se depois da derrota, na final da Taça de Portugal, eu já estava a ver Braga por um canudo?! Comigo não brincam, caramba! Ai não brincam não, que eu vou-lhes logo ao focinho! E o que é que vocês queriam mesmo, hã? Falem, pá! Parece que o gato vos comeu a língua… Hã? O que tenho a dizer sobre a derrota? Olhem, o que eu tenho a dizer é que já não se fazem jogadores de futebol como antigamente. Hoje em dia, são todos uns mariquinhas. No meu tempo, aquele jogo não tinha ido a prolongamento, quanto mais a pénaltis… Sabem porquê? Porque o Sporting não acabava o jogo com jogadores suficientes em campo. Eu disse aos meus jogadores: “é para entrar a matar!” E o “entrar a matar” não era marcar dois golos e ficar à espera do fim do jogo. O meu “entrar a matar” era partir as pernas aos jogadores do Sporting. Era o “passa a bola, não passa o jogador”. Mas não. Aqueles mariquinhas pé-de-salsa nem uma costela souberam partir. É que nem uma bolada nos testículos do árbitro souberam dar. Aquilo não são jogadores de futebol, pá! Aquilo mais parece um bando de avestruzes com a cabeça enfiada na areia… Sabem que mais?! Vou mas é voltar para a 2.ª Liga. Esses sim, sabem o que é “entrar a matar!”»

(Sérgio Conceição, quer-nos cá parecer que o melhor não era ires para a 2ª Liga. Talvez o melhor mesmo era dedicares-te ao Râguebi, ou ao Wrestling, ou então, quem sabe, aquele que se pratica na Síria, a combater o Estado Islâmico…)

 

 

Texto escrito por: Gil Oliveira & Ricardo Espada

Visite-nos em:

http://estapafurdiosdoquotidiano.blogs.sapo.pt/

https://www.facebook.com/EstapafurdiosDoQuotidiano

Partilhe esta notícia