Em 1987 foi inaugurado o Centro Nacional de Formação Técnica Gil Vaz com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da atividade agrícola do país, tendo encerrado em 2007.

Durante os 20 anos de funcionamento, o Centro Gil Vaz formou muitas pessoas e trouxe mais conhecimento e inovação ao setor agrícola.

Desde 2007 até aos dias de hoje, as instalações do Centro foram totalmente abandonadas pelos Governos, estando atualmente num elevado estado de degradação, agravado por atos de vandalismo.

O Centro Gil Vaz tem cerca de 338 hectares de grande diversidade. Tinha áreas de pastagens, diversas espécies florestais, como sobreiros, pinheiros mansos e algumas espécies exóticas, pomares de pessegueiros, estufas, vacarias e rebanhos de gado caprino e ovino.

Entretanto, o Centro Gil Vaz foi transferido para a Parpública, sob tutela do Ministério das Finanças, que por sua vez vendeu à empresa pública Lazer e Floresta, por 4,5 milhões de euros. Contudo o processo não está concluído, porque um proprietário de um terreno contíguo à propriedade do Centro Gil Vaz, invocou o direito de preferência para a aquisição do Centro Gil Vaz, sobre o qual se aguarda decisão.

Colocou-se a preocupação de a empresa Lazer e Recreio querer alienar este património público. Na opinião do PCP, o Centro Gil Vaz corresponde a uma estratégia de desenvolvimento da agricultura a nível nacional. Há necessidade de existir um equipamento desta natureza, que responda e potencie um maior conhecimento e inovação na agricultura, constituindo um elemento para o incremento da competitividade e produtividade no setor agrícola.

Para o PCP, o Governo deve reabrir o Centro Gil Vaz, obviamente após a recuperação das instalações e do espaço, face às necessidades de formação técnica na área da agricultura.

Os deputados do PCP, Paula Santos, Francisco Lopes e Bruno Dias, quiseram saber qual a avaliação que o Governo faz dos 20 anos de funcionamento do Centro Gil Vaz, designadamente ao nível do desenvolvimento do setor agrícola, quantos alunos frequentaram o Centro Gil Vaz e quantos alunos concluíram com sucesso a sua formação.

Também interrogaram o Governo sobre o número de professores do Centro Gil Vaz, quais as suas formações específicas, por que razão o Governo decidiu encerrar o Centro Gil Vaz e qual a razão de o Governo pretender alienar este património.

Os deputados comunistas também perguntaram se o Governo reconhece que a existência de um centro de formação técnica na área da agricultura pode dar um grande contributo para o desenvolvimento e inovação no setor agrícola e se pondera recuperar as instalações do Centro Gil Vaz, perspetivando a sua reabertura.

 

 

O Gabinete de Imprensa da DORS do PCP

Partilhe esta notícia