O Festival de Almada entra no segundo dia com quatro espectáculos portugueses, que se dividem em salas de Lisboa e Almada. Às 18h e às 21h, no Teatro da Politécnica, em Lisboa, os Artistas Unidos apresentam Nada de mim, de Arne Lygre, com encenação de Pedro Jordão. Às 20h, em Almada, na Sala Experimental do Teatro Municipal Joaquim Benite, a Companhia de Teatro de Almada apresenta Bonecos de luz, de Romeu Correia, com encenação de Rodrigo Francisco. Às 21h30, dois espectáculos: em Lisboa, Colónia penal, de Jean Genet, com encenação de António Pires, estreia no Teatro do Bairro; e em Almada, na Sala Principal do Teatro Municipal Joaquim Benite, o Teatro Nacional São João, do Porto, apresenta Lulu, de Frank Wedekind, com encenação de Nuno M Cardoso.

 

O dramaturgo alemão Frank Wedekind (1864-1918) começou a escrever Lulu em 1892, trabalhando na reescrita desta peça durante anos a fio. Lulu coloca um monstro fabuloso — o desejo — à solta num mundo social que combina uma certa libertinagem cínica com uma fachada puritana, aproximando-se de um conto de fadas para adultos. Para Nuno M Cardoso, a chave para a leitura desta tragédia pode ser encontrada na ferocidade com que o dramaturgo Edward Bond se referiu a ela: “É sobre sexo, dinheiro e violência: a História profética do capitalismo“. Mas também na fórmula elegíaca de Paul Celan, contida no verso “a morte é uma flor que só abre uma vez“. A vida da protagonista que dá o nome à peça — que decorre entre Berlim, Paris e Londres — espelha-se nas suas imagens sociais ao longo do texto, cuja evolução é simbolizada pela alternância do seu nome: Nelli, Eva, Mignon, Lulu. Esta anti-heroína começa por ser uma esposa domesticada, infiel e devassa, para se tornar numa aventureira e numa prostituta.

 

Nuno M Cardoso (n. 1973), actor e encenador, estreou-se no circuito teatral alternativo do Porto, colaborando posteriormente com Ricardo Pais, como assistente de encenação, em espectáculos como um Hamlet a mais(2004) e UBUs (2005). No Teatro Nacional São João tem dirigido textos de Goethe, Lessing, Fassbinder, Simon Stephens ou Karl Kraus — este último em parceria com Nuno Carinhas.

 

 

Texto de Frank Wedekind

Encenação de Nuno M Cardoso

 

INTERPRETAÇÃO: Afonso Santos, António Afonso Parra, Catarina Gomes, Daniela Cruz, João Cardoso, João Melo, Mafalda Lencastre, Nuno Cardoso, Nuno M Cardoso, Sara Garcia e Vera Kolodzig

TRADUÇÃO: Aires Graça

CENOGRAFIA E FIGURINOS: Nuno Carinhas

DRAMATURGIA: João Luís Pereira e Nuno M Cardoso

DESENHO DE LUZ: Rui Monteiro

DESENHO DE SOM: João Oliveira

VÍDEO: Jorge Quintela

ASSIST. DE ENCENAÇÃO: Paulo Capelo Cardoso

 

 

TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE | SALA PRINCIPAL | M/16

 

5 JUL | QUI | 21H30

6 JUL | SEX | 19H

 

PREÇO: 15€

 

 

INFORMAÇÕES: +351 212 739 360 e em www.ctalmada.pt

Partilhe esta notícia