Declamações de poemas, leituras encenadas, Estendais de Poesia, “Caça ao Poema – Peddypaper” foram algumas das iniciativas que decorreram, durante a manhã de sábado, dia 21 de março, nos mercados municipais 1º de Maio e do Lavradio, no âmbito das comemorações do Dia da Poesia. Nestes mercados e nos de Santo André e 25 de Abril, o Executivo Municipal e das Uniões de Freguesia distribuíram marcadores de livros com Poemas do Mundo, nomeadamente de autores africanos, russos, chineses, ingleses, portugueses e brasileiros. À tarde, na Biblioteca Municipal, teve lugar a apresentação do livro “O Opositor”, do jovem barreirense Guilherme Opositor. O programa prolongou-se para a noite com as iniciativas de Dança, Pintura e Poesia “A Simbiose Perfeita” e a Noite de Poesia da Arte de Dizer.

O Livro “O Opositor” foi apresentado pela Professora Fernanda Afonso que considerou “um privilégio falar sobre este livro de estreia de um jovem de 18 anos”. Fernanda Afonso começou por analisar o título, a capa, a contracapa e o ‘para texto’ que conferem “um pendor de rebeldia mas também filosófico”. “Eu contra o mundo. O mundo quer estar contra mim”, salientou esta frase do livro. “É um livro de estreia, de entendimento do mundo, mas também de entendimento de si próprio”, referiu.

O autor falou sobre o processo de escrita e o que motivou a existência de “O Opositor”. “É uma obra que surgiu com a vontade de escrever qualquer coisa que não estivesse formatada. Comecei a escrever pelo gosto de escrever”, referiu Guilherme Opositor.

A sinopse da publicação refere: ‘Eu contra o Mundo, o Mundo quer estar contra mim’, é assim que Guilherme Opositor se encara com a vida, que por si só, carece de sentido lógico naquilo que é a construção de uma identidade que se define pela exposição ao fracasso, e não pela ascensão ao derradeiro sucesso. Num mundo tão amplamente vasto, em que as respostas se tornam gastas, face a tantas ideias distorcidas e isentas de conteúdo; onde a ausência de ideias vivas, encaradas como certas, nos levam a uma dicotomia presente: de um lado nascem os opositores, do outro nasce o mundo. E a partir daqui se infere um caminho de vivências turbulentas, sem acostumação, nem medida; onde num só corpo, podem coexistir três; onde uma visão diferente pode ser contraditória pela dificuldade em crer nessa própria distinção. O Opositor conduz-nos a uma visão imperfeita da sociedade, sustentada pela posição de um todo sobre um só, onde a perfeição real padece de um avassalador retrocesso.

Dança, Pintura, Poesia – A Simbiose Perfeita decorreu, à noite, no Centro Comercial Park Center e contou com a Performance de Fátima Romão em parceria com Raúl Ferrão e o Grupo de Dança Contemporânea da UTIB.

Também à noite, na Biblioteca Municipal do Barreiro, teve lugar a Noite de Poesia da Arte de Dizer, pela Turma “Arte de Dizer” da Universidade da Terceira Idade do Barreiro (UTIB). Cerca de 30 elementos da turma declamaram Poemas do Mundo, nomeadamente de autores do Brasil, Angola, Perú, Moldávia, Roménia, da cultura cigana e árabe, tendo começado com o fado português.

As iniciativas, promovidas pela Câmara Municipal do Barreiro, contaram com a colaboração do Teatro de Ensaio do Barreiro, ARTEVIVA – Companhia de Teatro do Barreiro, TESFAL – Teatro de Ensaio da SFAL (Sociedade Filarmónica Agrícola Lavradiense), TISFAL – Teatro Infantil da SFAL, Associação de Cultura & Artes Mar d’Artes e UTIB.

 

Fonte: CMB

Partilhe esta notícia