A Câmara de Grândola conseguiu diminuir em mais de 1,6 milhões de euros a sua dívida total, durante o ano de 2014. O presidente do município, António Figueira Mendes, divulgou na reunião de câmara de terça-feira, dia 14 de abril, o Relatório e Contas 2014, que na sua perspetiva espelha “o esforço realizado pela autarquia para equilibrar as contas, reduzir a dívida e o prazo médio de pagamentos a fornecedores e, desta forma, cumprir com a lei dos compromissos e pagamentos em atraso e garantir a capacidade de investimento”.

O documento refere as muitas “ações de valorização e dinamização das potencialidades do território,” a “estimulação da economia local”, através, por exemplo, da “eliminação da taxa de derrama para pequenas e médias empresas, o apoio a quem menos tem e mais precisa”, como uma aposta na educação e na solidariedade social, nomeadamente, “a redução da taxa de IMI, o reforço do apoio ao arrendamento, o realojamento das famílias da Aldeia Mineira do Lousal, a reabilitação do Parque Escolar, o alargamento da Ação Social Escolar e a regularização dos Prémios de Mérito para os melhores alunos, que estavam em atraso desde 2010”.

Realça ainda, “uma forte aposta no Desporto, Cultura e Juventude”, com melhorias nos vários equipamentos desportivos e culturais, dando como exemplo, “as obras de reabilitação da Biblioteca Municipal, intervenções do Campo de Futebol de Melides”, e diversas atividades culturais, desportivas, e juvenis.

Nas áreas operacionais, destaca as “melhorias no serviço público prestado”, dando como exemplo os investimentos nos serviços operacionais, com a “aquisição de mais e melhores meios e as diversas empreitadas para pavimentações de estradas municipais”, nomeadamente, Vale da Cobra, Boavista, Bicas, Brejinho de Água, Caminho Municipal da ETAR da Aldeia do Pico e de acesso ao novo quartel dos Bombeiros.

O documento destaca ainda o “avanço da revisão do PDM e da criação das Áreas de Reabilitação Urbana, a defesa, firme e determinada, dos direitos dos trabalhadores e dos serviços públicos, a aposta no diálogo e na troca de opiniões, potenciando a participação ativa dos cidadãos e privilegiando a cooperação e proximidade, a criação do Gabinete de apoio ao Movimento Associativo, e a revisão dos documentos de descentralização de competências para as Juntas de Freguesia”.

A concluir reforça a “determinação e confiança do executivo municipal para enfrentar os muitos problemas que ainda há por resolver, e potenciar um desenvolvimento harmonioso, integrado e sustentado, reduzindo assimetrias e desigualdades, prestando um serviço público, transparente, de qualidade e proximidade, focado na melhoria da qualidade de vida da população”.

O documento será votado na próxima Assembleia Municipal de Grândola.

Partilhe esta notícia