O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) dá as boas-vindas aos 485 novos estudantes que em breve chegarão aos seus campi de Setúbal e do Barreiro, bem como a Lisboa e Sines, para frequentar Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP). Terminada esta 1.ª fase do concurso, a instituição de ensino congratula-se com uma subida de cerca de 15 por cento da taxa de colocação face ao que se verificou em 2016/2017 e igualmente pelo facto de 14 cursos terem ficado com a totalidade das vagas preenchidas, sendo que, em vários casos, o número de candidatos foi até superior ao número de vagas disponíveis.

 

Os resultados das candidaturas, conhecidos poucos dias após apurada a 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA), cuja taxa de colocação subiu 18 por cento, traduzindo-se em 833 novos estudantes a cursar licenciaturas, acompanham assim a tendência nacional de mais alunos a optar por esta oferta formativa de curta duração.

 

Em 2017/2018, as instituições públicas de ensino superior preveem a entrada de 6 817 novos inscritos em CTeSP, um acréscimo de 661 alunos face ao anterior ano letivo, que se distribuem por 664 cursos em 107 localidades.

 

Rumo à 2.ª fase de candidaturas, e tendo em conta os primeiros resultados apurados, o IPS está convicto de que ultrapassará a meta dos 500 novos estudantes a frequentar CTeSP.

 

Esta oferta formativa superior, que arrancou em 2005 com a denominação Cursos de Especialização Tecnológica (CET), entretanto alterada, surge como resposta às necessidades do mercado de trabalho e demais organizações, configurando uma alternativa mais compatível com o perfil e expetativas dos alunos provenientes do ensino profissional, que na sua maioria tendem a excluir o ensino superior dos seus planos para o futuro. Dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior dão conta que apenas 15 por cento dos alunos vindos dos cursos profissionais procuram no ano seguinte uma nova qualificação.

 

Sublinhe-se que os Cursos Técnicos Superiores Profissionais, formação de ensino superior, com a duração de quatro semestres (um deles realizado em contexto de trabalho), a que correspondem 120 ECTS, conferem um diploma de Técnico Superior Profissional.

 

Neste âmbito, o IPS está envolvido, juntamente com mais quatro politécnicos – Beja, Leiria, Cávado e Ave e Bragança – num projeto piloto que visa o desenvolvimento curricular de alguns CTeSP da área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), segundo o paradigma de Aprendizagem Baseada em Projetos (Project Based Learning – PBL). O projeto, da iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, é coordenado pelo Grupo de Trabalho para as Competências Digitais no Ensino Superior, que foi criado para o efeito, e decorre desde 2016, tendo contemplado a preparação dos planos curriculares dos cursos a implementar e a formação em metodologia PBL dos docentes envolvidos. Os cursos foram entretanto já submetidos à Direção Geral do Ensino Superior e entrarão em funcionamento no próximo ano letivo, 2017/2018.

Partilhe esta notícia