Foi um fim-de-semana futebolístico com um condimento especial, um Guimarães-Sporting. A luta entre um “outsider” que estava em 3º lugar com uma equipa bastante jovem mas muito bem trabalhada e um Sporting logo atrás mas bastante motivado e com a liderança do campeonato a 3 pontos. Contudo, o Sporting em Guimarães não apareceu e acabou por perder por 3-0, podiam ter sido mais. O domínio do jogo e as melhores ocasiões do jogo pertenceram totalmente ao Guimarães perante um Sporting que demonstrou uma apatia estranha não dominou o meio-campo, não teve atitude, não teve garra. Enfim, ninguém chegou a perceber o que se passou. Claro que a classificação está longe de ser definitiva mas é certo que o Guimarães consolidou o 3º lugar e o Sporting caiu para a 5ª posição atrás do Paços de Ferreira. No próximo fim-de-semana o Sporting recebe o Paços e terá que obrigatoriamente se redimir deste desaire.

Porto e Benfica cumpriram o seu dever. Não fizeram exibições de encher o olho e os destaques vão inteiramente para os grandes golos de Talisca, que deu a vitória ao Benfica sobre o Rio Ave; e para Brahimi a confirmar o triunfo do Porto sobre o Nacional. Continuam assim as duas equipas separadas por apenas um ponto e na próxima jornada ambas as equipas têm deslocações difíceis. O Porto vai à Amoreira jogar contra o Estoril, um adversário que casou bastantes dissabores na época passada, e o Benfica vai à Madeira jogar contra o Nacional, um campo sempre difícil para qualquer equipa.

Esta semana o “tema quente” foi a eleição para treinador do ano. Um prémio atribuído pela FIFA, cujo presidente também prima pela isenção e pelo respeito que tem por todos os representantes do futebol, especialmente por Cristiano Ronaldo (dá para perceber que estou com o modo irónico ligado). Na escolha dos 10 candidatos a treinador do ano um nome ficou de fora, Jorge Jesus, de forma bastante injusta e como não percebo que critérios são utilizados para que se seja nomeado vou utilizar os créditos normais de análise a cada um dos candidatos; ou seja, o que é que cada um ganhou, e vou também tomar como base o que está escrito no site da FIFA sobre cada um deles. Há que perceber como um treinador que ganhou 4 títulos nacionais e foi a uma final europeia fica de fora (relembro que Portugal ocupa o 4º lugar do ranking da UEFA). Ora vamos lá então começar:

  • Carlo Ancelotti – Venceu a Liga dos Campeões, a Supertaça Europeia e a Taça de Espanha. Nada a dizer, merece estar nomeado.
  • Pep Guardiola – Venceu a Liga Alemã, uma das mais competitivas do mundo, garantindo este título a sete jornadas do fim. Venceu também a Taça da Alemanha. Nada a dizer, merece estar nomeado.
  • Joachim Loew – Campeão do Mundo com a Alemanha. Nada a dizer, merece estar nomeado.
  • Manuel Pellegrini – Venceu a Liga Inglesa, considerada por muitos a melhor Liga do mundo e a Taça da Liga Inglesa. Nada a dizer, merece estar nomeado.
  • Diego Simeone – Ganhou a Liga Espanhola, a Supertaça de Espanha e foi finalista da Champions. Nada a dizer, merece estar nomeado.
  • Antonio Conte – Venceu o campeonato italiano com pontuação recorde. E foi só, tendo em conta que a Itália está atrás de Portugal no ranking europeu de futebol esta foi claramente uma “nomeação de charme”. Esteve suspenso 10 meses por envolvimento em apostas ilegais num dos casos que mais envergonhou o futebol europeu, o Calciocaos. E também foi eliminado da Champions.
  • Juergen Klinsmann – Levou os EUA aos oitavos-de-final do Mundial de 2014. Que raio de título é este! Nesse caso porque não nomearam o selecionador chileno? Também chegou aos oitavos-de-final do Mundial e eliminou na fase de grupos o então campeão em título, a Espanha. Não se percebe esta nomeação.
  • José Mourinho – Não ganhou nada em 2014. Acabou o campeonato em 3º lugar e foi a uma meia-final da Champions. Não se coloca em causa o que já ganhou mas em 2014 o que fez não justifica uma nomeação para um prémio. Lidera atualmente a Liga Inglesa mas liderar agora não significa ganhar no fim.
  • Alejandro Sabella – Vice-campeão mundial pela Argentina. Sei que um mundial é uma competição importante mas se ser vice-campeão conta como título…
  • Louis Van Gaal – Ficou em 3º lugar no Mundial com a Holanda e é atualmente o treinador do Manchester United. Está nomeado, de acordo com o site da FIFA, porque a Holanda não perdeu nenhum jogo no Mundial (foi eliminada nos penaltis pela Argentina) e está a devolver as grandes vitórias ao United. Meus caros, grandes vitórias??? O United está no 10º lugar na Liga Inglesa (a 13 pontos do líder Chelsea e só ganhou 3 jogos) e foi eliminado da Taça da Liga pelo MK Dons do 3º escalão do futebol inglês goleado por 4-0, até agora são estas as grandes vitórias…

Após esta análise não se consegue perceber mesmo porque Jorge Jesus não está nomeado. Se foi por algum comportamento incorreto de certeza que não foi tão grave como estar envolvido em escândalos de corrupção no futebol como foi o caso de Antonio Conte. Aliás, merecia estar também nomeado Unai Emery, dado que ganhou a Liga Europa pelo Sevilha. Gostava de perceber realmente os critérios e que raio de especialistas são estes! Até para a semana.

 

Ricardo Santos

Marketeer

Partilhe esta notícia