A segunda edição do FestiSAL está de volta no sábado, dia 21 de julho, das 9h às 20h, nas Salinas do Samouco, em Alcochete, com muitas atividades inspiradas na tradição salineira, desde a rapação do sal, passeios pedestres, de tuk-tuk e charrete, observação de aves, degustações gastronómicas, ateliês, exposições e um mercadinho de produtos regionais. Com entrada livre.

 

O FestiSAL, que no ano passado recebeu um milhar de visitantes, tem a particularidade de se realizar numa área protegida, que não está normalmente acessível ao publico em geral, oferecendo um leque variado de atividades relacionadas com produção de sal artesanal. Aqui a história e identidade local é desvendada entre trilhos de salineiros e a gastronomia local tem encontro marcado com as novas criações gastronómicas, num espaço natural banhado pelo Tejo, que apresenta uma relevante e diversificada comunidade de flora e avifauna.

 

O evento é organizado pela Câmara Municipal de Alcochete, Lusoponte, Fundação das Salinas do Samouco e Associação Gil Teatro.

 

Caracterização do Complexo de Salinas do Samouco

Com uma área de 360 hectares, o Complexo de Salinas do Samouco é único pois une uma diversificada biodiversidade a um importante património sociocultural.

 

Este complexo centenário, originalmente constituído por 56 salinas, remonta ao século XIII, e foi durante muitos anos, o principal produtor de sal de todo o país. As Salinas do Samouco albergam hoje, para além da produção de sal, um projeto ecológico e ambiental de proteção e conservação, sendo um local de alimentação, refúgio e nidificação de milhares de aves e outras espécies.

 

A produção de sal nas Salinas do Samouco é feita sobre os moldes artesanais, com todo o rigor e com uma dedicação extrema, dando origem a um sal da mais alta qualidade. O sal e flor de sal extraídos artesanalmente dos cristalizadores preservam as propriedades da água marinha e são excelentes não só para a gastronomia, mas também para a utilização em tratamentos medicinais, cosmético e spas, bioherbicidas, piscinas e produção de salicórnia.

 

Além da produção de sal, a Fundação das Salinas do Samouco conta com outros projetos, não só ao nível de estudo das aves como sobre o uso sustentável dos recursos naturais – hortas biológicas e recolha de plantas halófitas. Entre as cerca de 90 espécies de aves que recorrem às salinas, destacam-se o borrelho-de-coleira-interrompida, a chilreta, o pernilongo e o flamingo.

 

Um dos principais objetivos da Fundação das Salinas do Samouco é a sensibilização e educação da população em geral e de grupos escolares em particular, para a temática das zonas húmidas, em especial sobre o complexo das Salinas do Samouco. A Fundação atua como eixo de suporte a muitos programas de escolares e multidisciplinares, proporcionando as condições necessárias para a consolidação dos mesmos.

 

Programa em anexo.

Mais informação aqui.

Partilhe esta notícia