Doze espetáculos musicais inspirados no mar, com concertos ao ar livre e em espaços culturais, realizaram-se, durante quatro dias, na quarta edição do Festival de Música de Setúbal.

Entre os dias 29 de maio e 1 de junho, o certame promoveu a cultura e o património musical do concelho, conjugando artistas consagrados com grupos da comunidade local, numa organização da A7M – Associação Festival de Música de Setúbal, resultante de uma parceria da Câmara Municipal e da The Helen Hamyn Trust, com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

O festival chegou ontem à noite ao fim com “Mar de Emoções”, no Fórum Municipal Luísa Todi, num espetáculo da Orquestra de Câmara Portuguesa com a participação da soprano Susana Gaspar. No concerto, dirigido pelo maestro Pedro Carneiro, foram interpretadas obras de Mendelssohn, Mozart, Beethoven, Berlioz e Haydn

O certame abriu com “Trova de Três Oceanos”, na quinta-feira, num concerto dirigido por Tony Haynes, que apresentou composições originais deste compositor e arranjos de músicas das mais distintas proveniências.

Ao palco do Fórum subiu meia centena de crianças e jovens da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi, do Conservatório Regional de Setúbal e do grupo de percussão BelaBatuke, a que se juntaram dez músicos de todo o mundo da Grand Union Orchestra.

Na sexta-feira, o habitual desfile de percussão desceu a Avenida Luísa Todi até ao Largo José Afonso, com a participação de várias turmas das escolas EB Brejoeira, EB 2,3 Azeitão, EB 2,3 Babosa du Bocage, EB 2,3 Luísa Todi, ES/2,3 Lima de Freitas, EB1 do Viso, EB 2,3 Aranguez e EB e Secundária Ordem de Sant’Iago, além da Edinstvo – Associação dos Imigrantes dos Países do Leste, do Projeto “Agora Sim E5G” e da APPACDM de Setúbal.

Depois de percorrem a avenida, onde há vários anos o Sado ali chegava, as centenas de crianças e jovens atuaram em conjunto no Auditório José Afonso no apontamento musical “A Foz dos Ritmos”, com direção de Fernando Molina.

À noite, a Igreja de Santa Maria acolheu o “Encanto Marítimo – Requiem pelos Navegadores Portugueses”, dirigido por Armando Possante, em que atuaram o Grupo Vocal Olisipo, o Coro do Conservatório Regional de Setúbal e o ator Luís Madureira. Através da música, foi evocada a perda de vidas nos mares dos Descobrimentos.

A travessia do rio Sado, por ferry, nos dois sentidos, surpreendeu passageiros no sábado de manhã com a atuação de diversos grupos do Conservatório Regional de Setúbal. Em terra, a iniciativa, intitulada “Música nas Ruas e no Rio”, esteve no centro da cidade com diversos apontamentos artísticos.

Com coordenação de Carlos Barreto Xavier e direção de Nuno Batalha, ouviram-se “Canções do Mar”, no sábado à tarde, no Fórum Municipal Luísa Todi, com os coros de várias escolas do 1.º ciclo, da APPACDM de Setúbal e Luís Barrigas Quarteto.

O evento mostrou canções criadas no âmbito de projeto de integração dos alunos numa metodologia de ensino em torno da composição musical em sala de aula.

Meia hora depois de terminar o concerto, às 17h00, começou “Música no Coreto”, com a Banda de Música da Capricho Setubalense e o BelaBatuke, numa confluência de duas distintas tradições musicais da cidade.

O mar e o trabalho uniram-se num concerto-instalação de homenagem aos pescadores portugueses, intitulado “Quando o Homem Lavrava o Mar”, sábado à noite, no Museu do Trabalho Michel Giacometti.

Com conceção e interpretação de Fernando Mota, o vídeo e as imagens pertenciam a Tiago Pereira, José Madeira, Michel Giacometti e James Knight-Smith. O espetáculo contou com o Conservatório Regional de Setúbal, nos violinos, e o Coral Infantil de Setúbal, no canto e objetos sonoros.

O último dia do Festival de Música de Setúbal, domingo, começou com “Olhares sobre o Mar e Reflexos”, no Convento da Arrábida. O evento, uma visita guiada ao local histórico acompanhado de música com vista para o mar, contou com um quinteto de sopros da Orquestra de Câmara Portuguesa e alunos de canto e instrumento do Instituto Gregoriano de Lisboa.

Antes do concerto de encerramento “Mar de Emoções”, a tarde foi dedicada à “Diversidade e Inclusão”, com conversas com especialistas e responsáveis de projetos de inclusão pela música desenvolvidos no âmbito do festival e uma atuação da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi e de alunos da EB 2,3 Cruz de Pau com deficiências auditivas, no Fórum Municipal.

Seguiu-se a “Viagem”, no Cais 3 do Porto de Setúbal, espetáculo-performance com vista para o Sado que juntou alunos do Externato Rumo ao Sucesso e do Grupo de Música Contemporânea do Conservatório Regional de Setúbal, com direção e composição de Pedro Condinho e António Laertes.

 

 

Fonte: CMSetúbal

Partilhe esta notícia