O regresso a Portugal dos lendários Fischer-Z, que foram a primeira banda a esgotar um estádio de futebol em Portugal (50 mil pessoas no estádio José Alvalade, em 1981), é o principal atrativo da 2.ª edição do Festival Flower Power, que se realiza em Vila Nova de Santo André, no Parque Central, entre os dias 13 e 16 de agosto, e que promete criar um ambiente a fazer lembrar o marcante Woodstock, que celebra agora 46 anos (realizou-se entre 15 e 18 de agosto 1969). A organização está a cargo da Associação Lus’Alma, que desafia pais, filhos e netos a juntarem-se no mesmo espaço, numa festa “da e para a família”.

Muita música, artesanato, artes plásticas e performativas, exposições, workshops, jogos tradicionais , insufláveis e gastronomia prometem quatro dias recheados de intensidade e surpresas no recinto. Desperta também a atenção, no cartaz, a presença em Portugal dos Abba Mania, considerados a melhor banda do mundo de tributo aos Abba, concerto que vai contar com a participação, em dois temas, do Coral Harmonia Juvenil, de Santiago do Cacém. Os espetáculos musicais têm início, diariamente, às 21h30, com o seguinte alinhamento (complementado com a atuação de vários DJs “madrugada fora”):

– 13 de Agosto, quinta-feira: Tributo ao Rock dos anos 70 + Kind of Magic (tributo Queen)
– 14 de Agosto, sexta-feira: Elvis & The Memphis Flash (tributo Elvis) + ABBA MANIA (tributo aos Abba)
– 15 de Agosto, sábado: Isabella Bretz (tributo Bob Dylan) + Uprising (tributo a Bob Marley) + FISCHER Z (banda original)
– 16 de Agosto, Domingo: Peakles (tributo aos Beatles)

A organização desafia os visitantes a virem vestidos “à época”, como as calças à boca de sino ou a mini-saia, passando por tantas outras peças de vestuário que tão bem caracterizam as décadas de 60 e 70.

 

Este é um Festival que retrata as décadas de 60/70.

“As décadas de 60/70 representaram a realização de projectos culturais e ideológicos, nascia o “Sonho Americano”, o rock de garagem e os movimentos de vanguarda.
Nasceu nos anos 60, o movimento hippie, “Make Love Not War”
O movimento nasceu e teve o seu maior desenvolvimento nos EUA. Foi uma reacção ao consumismo, às guerras, ao capitalismo e às desigualdades da sociedade americana. Defendiam os valores da natureza, o amor, a paz, a liberdade sexual, a liberdade de expressão e abraçavam aspectos de religiões como o budismo e o hinduísmo.

Na sua expressão mais radical, os jovens hippies abandonavam o conforto dos lares paternos e rumavam para as cidades, principalmente S. Francisco, para aí viver em comunidade com outros hippies.
No mundo da música algumas vozes faziam a diferença, nomes que marcaram e ainda hoje continuam a marcar o meio musical, nomes que ficarão para sempre na memória dos tempos, Elvis Presley, Bob Dylan, Bob Marley, Bee Gees, Tina Turner, Jimi Hendrix, Jimmy Page, Led Zeppelin, Janis Joplin, Pink Floyd, entre tantos outros.A moda dos anos 60/70 era muito alegre. O bikini tornou-se mais reduzido e surgiu a mini-saia, as cores vibrantes, os tecidos estampados e coloridos com desenhos geométricos e o estilo indiano era moda na época por influência dos hippies. As botas eram de cano alto, em couro envernizado e brilhantes. O branco e preto também eram muito usados.”

Partilhe esta notícia