O FIC – Festival Internacional de Cultura – começa já no próximo dia 9 de Setembro e prolonga-se até dia 18 do mesmo mês. Com mais de 65 convidados nacionais e estrangeiros, esta iniciativa da LeYa e da Câmara Municipal de Cascais é o maior evento cultural a realizar-se este ano em Portugal. Caetano Veloso, Paulo Portas, Marisa Matias ou o economista Robert Skidelsky são alguns dos convidados dos debates do primeiro fim-de-semana.

 

Duas grandes figuras da cultura brasileira – Caetano Veloso e António Cicero – juntam-se à escritora Inês Pedrosa ao fim da tarde de dia 9 de Setembro para o primeiro de dezassete encontros e debates que trarão a Cascais mais de 65 convidados de áreas tão diversas como a Literatura, as Artes Plásticas, a Música, a Filosofia, a Economia, a Política, a História ou o Jornalismo.

 

O Festival Internacional de Cultura (FIC) vai decorrer durante dez dias, em Cascais, e marca o arranque cultural da temporada 2016/2017 com uma programação internacional inspirada em Shakespeare, quando passam 400 anos da morte do escritor.

 

Música,  teatro, cinema, exposições, animação infantil, artes de rua, gastronomia e, ainda, roteiros culturais e uma feira do livro completam o programa que, até 18 de Setembro, se realizará na Casa das Histórias Paula Rego e em dezenas de outros espaços de Cascais.

 

O escritor David Lodge, o biógrafo Andrew Morton, os historiadores David Priestland e Andrew Roberts, os romancistas Arturo Pérez-Reverte e Mathias Énard e, ainda, o filósofo Daniel Innerarity, o economista Robert Skidelsky e o jornalista Michael Weiss – estes três no primeiro fim de semana -, são os outros protagonistas internacionais do FIC.

 

Durante estes dias uma grande diversidade de autores, nacionais e estrangeiros, debaterão temas como a identidade, a crise, o terrorismo num mundo global, a indignação, o poder transformador – ou não – da literatura, ou a forma como esta promove a revolução de mentalidades.

 

Dos convidados portugueses do programa de debates, organizado por Inês Pedrosa, contribuirão certamente para enriquecer essa diversidade vozes como as de Lídia Jorge, Manuel Alegre, Maria Teresa Horta, Mário Cláudio, Nuno Júdice, Rui Zink ou Gonçalo M. Tavares, entre muitos outros. A pintora Paula Rego é também esperada, no último dia do festival, para um debate em torno da sua obra e para a entrega de um prémio de belas artes.

 

Alguns momentos centrar-se-ão diretamente na figura de Shakespeare, como é o caso da sessão em que a Fundação Dom Luis reúne, no Centro Cultural de Cascais, Mário Avelar, Javier Rioyo e Artur Anselmo (10 Set.), outros destacar-se-ão por um cunho mais político, como o que juntará, na Casa das Histórias Paula Rego, Paulo Portas e Marisa Matias (10 Set.). O primeiro domingo do festival, em que se assinalam os 15 anos dos ataques terroristas de 11 de setembro, será assinalado com um debate sobre o tema que conta com Ana Gomes e Nuno Rogeiro.

 

Na programação de teatro, destaque para a proposta do Teatro Experimental de Cascais (TEC), uma jornada dedicada a Shakespeare com várias representações no sábado, dia 17, a partir das 14h30, prolongando-se pela tarde e noite.

 

Na música, haverá a notável Aula-show “Vinicius e Tom: Palavra e Música”, dos brasileiros José Miguel Wisnik, Gabriel Improta e Paula Morenlenbaum (Casino Estoril, 17 de Setembro), entre outras propostas como os concertos de Cuca Roseta e de João Gil com Ana Mesquita, ou do Moscow Piano Quartet. Matilde Campilho, David Cranmer, o projeto “Belos, Recatados e do Bar” e o colectivo Nódoa cruzarão, em diferentes noites e de diferentes modos, a música e a poesia.

 

No cinema, além de um ciclo ao ar livre junto à muralha da Cidadela de Cascais, haverá também um ciclo de homenagem a José Fonseca e Costa n’O Cinema da Villa e a estreia do filme “O Protagonista”, iniciativa do Palco Treze.

 

Aos fins de semana haverá um mundo de propostas de animação infantil no Parque Marechal Carmona e, no segundo fim-de-semana, as ruas de Cascais serão animadas com um circuito de artes de rua. A gastronomia marca presença com várias propostas de street food e, na feira do livro, não faltarão oportunidades para escolher entre uma cuidada selecção de edições nem a presença de escritores bem conhecidos dos leitores portugueses.

 

A generalidade das actividades do FIC é de entrada gratuita – toda a informação disponível em www.fic.leya.com. O festival pode ainda ser seguido em Facebook.com/FICfestival e no twitter.

 

CLÁUDIO ANAIA

www.relances.blogspot.com

 

 

Partilhe esta notícia