Este fim-de-semana foi fim-de-semana de Taça de Portugal. Com maior ou menor dificuldade, a grande maioria das equipas da Liga NOS passou à próxima eliminatória, exceção feita ao V. Guimarães, ao Moreirense e ao Tondela que foram eliminados por equipas da Segunda Liga. Os autores dessas proezas foram o Penafiel, o Desportivo das Aves e o Gil Vicente respetivamente. Ainda há a destacar a eliminação do Oriental frente ao Casa Pia mas o grande destaque vai para uma equipa do distrito de Setúbal, o Cova da Piedade.
A equipa de Almada encontrava-se a perder em casa por 0-3 frente ao Alcanenense e com 10 jogadores em campo e conseguiu a 12 minutos do fim do jogo operar uma reviravolta fantástica e vencer por 4-3. Diogo Caramelo com dois golos, Marco Bicho e André Ceitil foram os obreiros desta remontada no marcador. Para o Cova da Piedade, e no sentido de garantir uma boa receita, seria receber na 4.ª eliminatória o Benfica ou o F.C. Porto visto que para os lados de Alvalade ceder as receitas não é prática neste momento.
E é precisamente o dérbi que tem dominado a atenção nestas últimas duas semanas, nem a passagem direta de Portugal para o Euro 2016 fez esquecer o tema, uma qualificação tão importante para a dignificação do desporto português passou completamente ao lado. Seria bom se o que se discutisse fosse relacionado com os jogadores e com o desporto em si mas isso está longe de ser a realidade.
O problema é grave e que o que tem sido discutido é extra futebol, não dignifica os protagonistas que o praticam e passa para o estrangeiro uma má imagem da modalidade no nosso país. Faltam menos de 7 dias para o jogo e os ânimos estão demasiado exaltados muito por culpa das declarações que têm sido feitas pelo presidente do Sporting e por comentadores televisivos que em vez de gostarem de ver futebol parece que gostam de “ver sangue”. O Benfica começa agora a responder e parece que os processos em tribunal não se vão ficar por Jorge Jesus.
Sabendo como estes jogos são escaldantes, pede-se mais contenção nas palavras para não provocar nos adeptos, e está provado que muitos são se sabem comportar independentemente do clube que são, atos de violência verbal e física. O que esperamos no dia 25 de Outubro é que os verdadeiros protagonistas do futebol deem um bom espetáculo e que saibam, de certa forma, apaziguar os ânimos exaltados que outros provocaram e que em nada dignificam a modalidade e o desporto em geral, inclusivamente servem-se do futebol para protagonismo pessoal.
Até lá ficamos com mais uma jornada da Liga dos Campeões e da Liga Europa e que as equipas portuguesas que estão presentes continuem a trazer pontos para Portugal e a mostrar futebol onde ele deve acontecer, dentro das quatro linhas.

Por: Ricardo Santos

ri Marketeer

Partilhe esta notícia