O Comando Territorial de Setúbal, através do Núcleo de Investigação de Crimes e Contraordenações Ambientais (NICCOA) de Setúbal, ontem, dia 7 de agosto, apreendeu 37 répteis, numa habitação no Afonsoeiro – Montijo.

Na sequência de uma investigação os militares realizaram uma busca domiciliária por suspeita de detenção e comércio ilegal de um elevado número de cobras de várias espécies, nomeadamente, cobras constritoras de grande porte e cobras venenosas, tendo sido apreendido:

·         12 Pitons Reais (Python regius);

·         Cinco Cobras Rei (Lampropeltis getula);

·         Quatro Cobras do milho (Pantherophis guttatus);

·         Três Dragões Barbudo (Pogona vitticeps);

·         Dois Piton Tapete (Morelia Spilota);

·         Dois Camaleões do Iêmen (Chamaeleo calyptratus);

·         Dois Varano-Terrestre-Africano (Varanus exanthematicus);

·         Duas Cobras de Riscas (Thamnophis sirtalis)

·         Um Lagarto-Marau (Tupinambis merianae);

·         Uma Cobra Rateira Japonesa (Elaphe climacophora);

·         Uma Cobra Falsa Coral (Lampropeltis triangulum);

·         Uma Cobra Nariz de Porco (Heterodon nasicus);

·         Um Geco-Leopardo (Eublepharis macularius).

As espécies apreendidas encontram-se protegidas ao abrigo da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES), sendo necessária autorização para a sua detenção. Esta investigação para além de procurar garantir a segurança, o bem-estar e a comodidade dos cidadãos em função da potencial perigosidade deste tipo de répteis, também pretende verificar a legalidade e condições para a sua detenção, assim como, o bem-estar e a saúde dos répteis.

O detentor foi constituído arguido e sujeito à medida de coação de termo de identidade e residência.

A ação contou com a colaboração da Unidade Especial CITES do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas.

Partilhe esta notícia