Muito de se tem debatido e discutido no que respeita ao transporte fluvial entre as duas margens do Rio Tejo, neste caso em concreto, entre Cacilhas e o Cais do Sodré.
Os problemas agudizam-se de ano para ano com um notório degradar do serviço de transporte fluvial que é prestado pelo Estado através da empresa Transtejo, aos utentes que usam diariamente os cacilheiros como veículo de transporte para os seus locais de trabalho ou para estudar.
O Governo vem agora anunciar com optimismo a compra de novos catamarãs para efectuar a travessia entre as duas margens. Segundo consta, os novos navios de transporte de passageiros serão mais rápidos, mais eficazes, mais amigos do ambiente, com certeza, mais seguros. Mais informa que cada navio terá um custo aproximado de 9 milhões de euros, afirmando ainda o Governo, que o primeiro será entregue já para o próximo ano.
Ora, reside neste último parágrafo a dúvida do CDS-PP com o optimismo do Governo em relação aos prazos da entrega dos navios, tal como questiona o mesmo se está em condições de garantir já no momento se esses prazos serão cumpridos, tendo em consideração o lançamento dos concursos e todo o processo complexo em si. O tempo que leva o seu cumprimento, como será elaborado o processo de encomenda dos navios, a quem encomenda, quanto tempo levará a construção dos mesmos, os prazos e a efectiva entrega, acrescentando ainda a questão dos pontões que têm de estar adaptados entre si, isto é, com os novos navios.
O CDS-PP não está contra, antes pelo contrário, a aquisição destes barcos que irão fazer a travessia entre Cacilhas e o Cais do Sodré, mas sabendo dos contratempos e da burocracia que uma tomada de decisão destas acarreta, pretende saber se estaremos ou não, apenas em presença de (mais) um optimismo tendo em conta o aproximar de actos eleitorais, quando o caso deve ser tratado de forma transparente e verdadeiramente eficaz.


O CDS-PP Almada

Partilhe esta notícia