Um mural de oito metros, construído em três semanas pelo artista Smile e por meia centena de estudantes, foi inaugurado esta manhã na Escola Básica de Aranguez, em Setúbal, com uma mensagem de alerta sobre as alterações climáticas.

O mural, que num desenho dominado por tons de verde e azul turquesa, retrata um cavalo-marinho, um roaz e um choco sufocado por um saco de plástico, todos envoltos nas pradarias marinhas do Estuário do Sado, pretende chamar a atenção para a problemática das alterações climáticas registadas no planeta.

Em cima das três espécies marinhas sobressai uma caixa de computador com a pergunta “Tem a certeza que deseja enviar o Planeta Terra para a lixeira?” e duas teclas com as palavras “sim” e “não”.

“É uma mensagem forte e, ao mesmo tempo, educadora. Se não mudarmos comportamentos e hábitos nocivos, é, garantidamente, para a lixeira que mandamos o planeta”, referiu a vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, sobre o graffiti inaugurado esta quarta-feira.

O projeto de arte urbana, encomendado a Ivo Santos, que assina Smile, para a elaboração do mural de oito metros, contou com a colaboração de cinquenta estudantes daquele estabelecimento de ensino.

“Não estava nada à espera da adesão positiva dos alunos. Quando o alarme tocava para a entrada, queriam todos continuar a pintar. Isso deixa-me muito orgulhoso”, confessou Smile.

O graffiti integra um projeto intitulado “Mês dos Riscos e das Alterações Climáticas”, que pretende consciencializar os estudantes para a adoção de comportamentos que visem a adaptação e mitigação de riscos face às alterações climáticas.

O projeto, iniciado a 13 de janeiro no Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama e que prosseguiu a 3 de fevereiro para o Agrupamento de Escolas Lima de Freitas, enquadra-se no programa municipal “Comunicação e Sensibilização em Cenário de Risco Associados às Alterações Climáticas”.

Este programa do município converge com a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas para gerar participação, divulgação e sensibilização junto da população do concelho sobre esta problemática e tem financiamento europeu no âmbito do PO SEUR, através do Portugal 2020.

O município de Setúbal encontra-se preparado com estratégia, planeamento e recursos tecnológicos e humanos para dar resposta a potenciais riscos, trabalho que foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas, em 2017, com a certificação de Setúbal como Cidade Resiliente.

A iniciativa conta com a participação de elementos do Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros, dinamizador do projeto, bem como do Centro Hospitalar de Setúbal, do Agrupamento de Centros de Saúde Arrábida, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal e do Instituto Ricardo Jorge – Polo de Águas de Moura.

O “Mês dos Riscos Associados às Alterações Climáticas”, inclui, igualmente, a participação de elementos da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal e da Autoridade Marítima Nacional através do Comando de Setúbal da Polícia Marítima.

Ao longo do projeto, os alunos têm a oportunidade de visitar mais de uma dezena de bancas temáticas, que têm como finalidade sensibilizar para a importância da adoção de comportamentos essenciais para a adaptação e mitigação de riscos resultantes das atuais alterações climáticas registadas no planeta.

No decurso desta ação de sensibilização, a Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal e a Polícia Marítima participam, respetivamente, com uma viatura e uma moto de água com o objetivo de dar a conhecer o seu trabalho preventivo e reativo para os riscos coletivos e socorro de pessoas.

Partilhe esta notícia