Fez este domingo 45 anos que o guarda-redes Manuel Galrinho Bento fez história pelo Barreirense Futebol Clube ao marcar, no extinto Manuel de Mello, um golo de baliza a baliza.

A mestria, daquele que é considerado por muitos o melhor guarda-redes português, aliada à força do vento que se fazia sentir naquela tarde ajudou-o a furar as redes dos estudantes que acabaram por perder por 4-1.

Manuel Galrinho Bento, natural da Golegã, filho de camponeses, tinha uma estatura baixa, aparentemente, baixa de mais para quem tinha o sonho de ser guarda-redes. Contudo, a agilidade ajudou-o a provar que apesar de baixo era um baixo gigante, sendo inclusivamente apelidado pela imprensa internacional por homem de borracha, depois de assinar uma exibição fabulosa em Glasgow, pela Seleção Nacional.

Bento começou a dar nas vistas como júnior do Goleganense. As exibições não passaram despercebidas aos leões e o Sporting convidou-o para assinar contrato. Bento aceitou o convite, mas, rapidamente, mostrou o feitio vincado quando um dirigente do Sporting pediu-lhe que requeresse, a título gratuito, a carta de desvinculação ao clube que o lançara e decidiu abandonar o Lar do Sporting. Regressou, posteriormente, à Golegã e transferiu-se, a troco de 15 contos, para o Barreirense.

No Barreiro, jogou de 1967 a 1972 e foi decisivo para o quarto lugar do clube, no Nacional, façanha que permitiu o histórico acesso do Barreirense à Taça UEFA.

Do Estádio D. Manuel de Mello saltou para o Estádio da Luz, defendendo a baliza “encarnada” entre 1972 e 1992. Ao serviço do Benfica, Manuel Bento realizou um total de 611 jogos, nos quais sofreu 447 golos.

Bento somou 63 internacionalizações “AA”, oito títulos de campeão nacional e seis Taças de Portugal, tendo ainda sido finalista da Taça UEFA em 1983 e, em 1984, conquistou, ao serviço das quinas, o terceiro lugar no Europeu de França.

 

Partilhe esta notícia