Depois do apuramento da Taça A.F.S., a bola já rola, há cinco jornadas, na relva e também no pelado no distrito de Setúbal, por isso parece-me a altura certa para fazer um primeiro balanço da qualidade e prestação das equipas em prova na 1ª e 2ª distrital.

Em relação à primeira distrital, verifica-se, como era esperado, um grande equilíbrio. No lugar mais alto do pódio encontra-se o Amora, um dos grandes favoritos à subida, com dez pontos e menos um jogo, seguindo-se o Alcochetense, outro favorito ao título, que nas últimas duas jornadas quebrou a série de bons resultados provavelmente porque defrontou duas boas equipas e o União de Santiago que com as duas derrotas em casa acabou por perder terreno na luta pelo grande objetivo da época: a subida de divisão.

O Barreirense demonstrou sobretudo na última jornada que está vivo e que apesar do desaire na fase de apuramento da Taça da A.F.S., no campeonato a história será, necessariamente, diferente e quer pelo seu nome, quer pelo seu passado, terá que continuar a ser visto como um dos mais fortes candidatos ao título.

O Alfarim, Monte da Caparica e o Grandolense estão, na minha opinião, a fazer um bom campeonato. O Sesimbra, em comparação com o ano passado, está muito mais forte e o Almada, apesar de ter sofrido grandes alterações no plantel, não tem desiludido.

No caso do Banheirense, o grupo de trabalho continua a demonstrar jogo-a-jogo que os resultados da época passada não foram obra do acaso, uma vez que depois de terem sido facilmente apurados para a próxima fase da Taça da A.F.S. encontram-se, atualmente, depois de já terem defrontado quase todos os favoritos ao título, a dois pontos do primeiro lugar.

O Comércio Indústria, apesar de ter um jogo a menos, tem estado bem, fruto da maturidade e experiência de alguns dos jogadores que compõem o plantel. E, o Olímpico do Montijo foi, para mim, a surpresa da última jornada ao vencer em Santiago do Cacém.

Por último, temos um grupo constituído pelo Arrentela, Palmelense, Beira-Mar e Charneca da Caparica que estão a fazer um campeonato modesto, no entanto ainda há muitos jogos pela frente e todos têm tempo para conseguir efetuar algumas mudanças e fugir aos lugares da descida. Mediante os resultados menos conseguidos do Fabril e do Pinhalnovense teme-se que existam mais equipas a descer e, nesse caso, a luta será para fugir à despromoção será ainda mais renhida. Mas eu continuo a acreditar que com esforço e dedicação as duas equipas do distrito vão conseguir assegurar a manutenção no Campeonato Nacional Seniores.

Na segunda divisão distrital, o campeonato também está muito competitivo, e de todas as equipas que partiram como favoritas, os Pescadores e o Vasco da Gama confirmaram o estatuto e já começaram a cavar um pequeno fosso em relação à concorrência.

O Paio Pires, que montou a equipas através de captações, está a fazer também um bom campeonato. Em relação ao ADQC, que é um candidato assumido à subida de divisão, a equipa, na minha opinião, ainda não se encontrou totalmente, no entanto acredito que, mais cedo ou mais tarde, a qualidade do plantel e o facto de terem um treinador totalmente identificado com a equipa e o clube, vai permitir a equipa entrar nos carris e ingressar, efetivamente, na luta pela promoção.

Depois temos o Alcacerense, o Santo André e o Moitense que apesar de terem bons valores, não os considero, sinceramente, candidatos ao título. Por último, uma equipa pela qual tenho uma enorme simpatia e consideração, o Lagameças, admiro a persistência das pessoas que fazem parte do clube e que trabalham, diariamente, para manter o futebol federado, apesar de ser cada vez mais complicado cativar atletas para jogar em campos de terra batida e longe dos grandes centros. Contudo, apesar de ser difícil vê-los afastarem-se dos últimos lugares, acredito que será um adversário incómodo, sobretudo perante o seu público.

Já referi neste espaço, que a classe de treinadores é, na minha conceção, a que mais evoluiu no futebol, que hoje os treinos são muito mais pormenorizados e preparados à exaustão e nada é feito ao acaso, para que ao domingo a probabilidade da equipa falhar seja muito menor, daí que os jogos sejam também, atualmente, mais competitivos e decididos, na maioria das vezes, nos pormenores.  Por isso, a competição entre treinadores por um lugar ao sol é também ela cada vez mais acesa. Contudo, penso que, em certos pontos, essa competição está ultrapassar os limites do aceitável e vive-se praticamente numa era do “vale tudo”, refiro-me, particularmente, a um caso que assisti esta semana em que foi utilizado um blog como meio de pressionar a saída de um treinador de um determinado clube e a entrada de outro, recorrendo-se inclusivamente a montagens fotográficas, sobrepondo a imagem do treinador que acabou por assumir o lugar à fotografia do campo da equipa em causa. Sinceramente, penso que estes casos para além de condicionarem, por vezes, a ação dos dirigentes, mancham a imagem da classe de treinadores.

Por último, costumo, frequentemente, defender que é impossível gostar de futebol, sem gostar da arbitragem, até porque quanto maior é a qualidade dos árbitros maior é a qualidade dos jogos. E, até agora, o que tenho visto é que apesar de não haver muita quantidade, há muita qualidade no nosso distrito, prova disso é a, recente, promoção do árbitro Miguel Figueiredo, mais que merecida na minha opinião. Acredito, inclusivamente, que outros seguirão o mesmo caminho e que o distrito de Setúbal voltará a ser um distrito de referência na arbitragem nacional.

Saudações desportivas a todos os que se esforçam, diariamente, para que este belo desporto seja cada vez melhor.

 

Amândio Jesus

Diretor Desportivo