A Construção da Rede de Drenagem Doméstica da Penalva teve início em abril. Com um valor de empreitada superior a 725 mil euros, esta obra terá a duração de oito meses e representa a parte principal da operação cofinanciada “Extensão do Serviço de Saneamento de Águas Residuais, no Subsistema da ETAR ZI Autoeuropa”. Em conferência de imprensa, realizada a 24 de maio, no Grupo Recreativo União Penalvense, o Vereador João Pintassilgo, responsável pelo pelouro de águas e resíduos, referiu que esta é uma obra importante para o Concelho e, em particular, para os habitantes das Áreas Urbanas de Génese Ilegal (AUGI) da Penalva. O Vereador Rui Braga, responsável pelas áreas do planeamento e intervenção no espaço público, salientou, na iniciativa, que, além da drenagem doméstica, a questão da drenagem de águas pluviais irá também ficar resolvida, visto que a Autarquia decidiu, incluir no próximo orçamento, a verba para a construção das bacias de retenção.

João Pintassilgo recordou que esta obra é uma “aspiração antiga dos habitantes e da Câmara” e vem possibilitar uma grande melhoria em termos ambientais e de qualidade de vida. Informou que esta intervenção, financiada no âmbito do POSEUR, inclui a execução de 10 km de coletor.

Por seu lado, Rui Braga referiu que a obra irá resolver o problema do esgoto doméstico, mas considerou que “temos de aproveitar estas obras para também resolver a questão do esgoto pluvial e dos passeios”. E, neste âmbito, em termos de drenagem pluvial, o Autarca anunciou que a Câmara decidiu suportar os custos da construção das bacias de retenção, num investimento superior a 700 mil euros. O objetivo final “é que o Barreiro não tenha AUGI’s e que as propriedades sejam valorizadas”.

A obra contempla a construção de redes de coletores de águas residuais domésticas na Penalva, freguesia de Santo António da Charneca, em zonas ainda não servidas por redes de esgotos, designadamente nas Áreas Urbanas de Génese Ilegal (AUGI) de Penalva Norte (AUGI 14-I), Penalva Sul (AUGI 14-II), Baixa de Penalva (AUGI 15) e Vila Ribeiro (AUGI 20) e ligação das mesmas ao subsistema da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Zona Industrial da Autoeuropa.

Com as intervenções previstas haverá um acréscimo de 334 alojamentos servidos por rede de drenagem de águas residuais domésticas. Em termos de população a servir, estima-se que o acréscimo corresponda a aproximadamente 705 habitantes.

A obra inclui a execução de um conjunto de coletores gravíticos  com um total de cerca de 10 km de extensão, os quais serão em regra geral implantados ao longo de caminhos e estradas existentes.

O planeamento previsto, que poderá eventualmente sofrer alterações, é o seguinte:

  • Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Norte (AUGI 14-I) – zona nascete– início da intervenção em maio
  • Rede de Saneamento Doméstico da Baixa da Penalva (AUGI 20) – início da intervenção em maio
  • Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Sul (AUGI 14-II) – início da intervenção em meados de junho
  • Rede de Saneamento Doméstico de Vila Ribeiro (AUGI 15) – início da intervenção no início de agosto.
  • Rede de Saneamento Doméstico da Penalva Norte (AUGI 14-I) – zona poente –  início da intervenção no final de setembro.

 

A duração da intervenção em cada AUGI é de cerca de 4 meses. A duração global é de oito meses (até dezembro de 2018).

 

Partilhe esta notícia