Jerónimo de Sousa esteve ontem presente numa arruada na Baixa da Banheira, na Moita, que juntou centenas de apoiantes, referindo que acredita num reforço da votação na coligação nas eleições de domingo.

“Temos como objetivo reforçar as posições da CDU em votos e mandatos. A questão do terceiro deputado foi por algumas centenas de votos que não aconteceu [nas últimas eleições europeias] e ao assumir esse objetivo estamos a tentar que quanto mais deputados tenha a CDU, menos tem a ‘troika'”, salientou.

O secretário-geral do PCP afirmou ainda que o objetivo da CDU é derrotar os partidos da ‘troika’ nas eleições europeias.

“O objetivo é derrotar os partidos que sustentam o Governo, mas também enfraquecer aqueles que constituem a ‘troika’ e que infernizaram a vida dos portugueses, onde está o PS. Quando fazemos o apelo ao voto de muitos eleitores socialistas desiludidos com estes comprometimentos do PS, dizemos que o voto útil é na CDU, que combateu e vai continuar o combate”, afirmou.

Jerónimo de Sousa fez questão de cumprimentar todos e de apelar ao voto, na Baixa da Banheira, uma terra dominada pelo PCP, na qual foi recebido com aplausos e lágrimas de emoção.

“Temos que ver que estamos num concelho profundamente fustigado pela maioria dos problemas do país. Isto a par de um sentimento de afeto de pessoas que conhecem bem o PCP e a CDU, por isso, aqui temos muita força em qualquer campanha eleitoral”, referiu.

A terminar, o secretário-geral do PCP esclareceu que o Bloco de Esquerda não está na linha de preocupações de CDU, explicando no entanto que o PS está preocupado com a CDU.

“O Bloco não está na nossa linha de intervenção e de combate. Cada um pedala a sua bicicleta, mas não, isso não está no quadro das nossas preocupações centrais. Somos diferentes, mas são diferenças saudáveis, não está nas minhas preocupações”, explicou Jerónimo de Sousa, acrescentando que o Partido Socialista “está preocupado porque nós falamos verdade e não permitimos que se liberte das suas responsabilidades. Essa atenção significa que a CDU está a crescer e isso preocupa o PS, principalmente para quem dizia que o PCP seria residual”, concluiu.

Partilhe esta notícia