A Federação de Setúbal da Juventude Socialista lançou o desafio e várias dezenas de jovens, militantes e simpatizantes, corresponderam. No passado fim-de-semana, nos dias 11 e 12 de Abril, Almada foi palco das duas primeiras sessões do ciclo de conferências “E^4 – A Fórmula do Nosso Futuro”.

A primeira sessão de debate, sobre Economia, decorreu no sábado 11 de abril, pelas 17h00 no Museu da Cidade, e contou com a participação do professor, e ex-coordenador do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã e do deputado pelo Partido Socialista João Galamba. No Domingo, dia 12 de abril, pelas 14h30 no Fórum Romeu Correia, foi a vez de se debater o atual estado da Educação, com as ilustres presenças da professora, e ex-ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues e da professora, e ex-presidente do Conselho Nacional de Educação, Ana Maria Bettencourt.

Foram também convidados a participar na iniciativa, para além dos inúmeros jovens que deram a sua visão sobre as temáticas em debate, Ivan Gonçalves, Presidente da Federação Distrital de Setúbal e membro do Secretariado Nacional da Juventude Socialista com o pelouro do Trabalho, Débora Rodrigues, Presidente da Concelhia de Almada da JS, Francisca Parreira, Presidente da Comissão Política Concelhia do PS, Diogo Leão, Secretário-Geral Adjunto da JS e Ana Catarina Mendes, deputada e Presidente da Federação Distrital de Setúbal do PS.

Na primeira sessão de debate, com Francisco Louçã e João Galamba, austeridade, crescimento económico, Euro e dívida pública foram os principais assuntos debatidos, numa conversa reveladora de diferentes pontos de vista, mas também de alguns consensos. A inevitabilidade da saída do Euro foi o principal ponto de discórdia, com Francisco Louçã a defender que só será possível resolver a situação da dívida e do crescimento económico num cenário de abandono da moeda única, enquanto o deputado do PS João Galamba se mostrou confiante que a Europa adotará uma leitura inteligente do tratado orçamental e que, através de uma atitude proactiva, por oposição à atual submissão do governo português, será possível negociar com os restantes países da UE, com vista a uma solução para a dívida que garanta as necessárias condições para os estímulos ao crescimento económico.

Por sua vez, no debate de Domingo dia 12 de Abril, as oradoras abordaram, nas suas intervenções, a necessidade de Portugal lutar contra o insucesso escolar e de ter uma política nacional orientada para o reforço das qualificações. Houve críticas à escassez de oferta formativa para adultos e propostas como a necessidade de reorganização dos ciclos de ensino e o aumento do investimento na formação dos professores do primeiro ciclo. Além de tudo isto, destaque ainda para as convergências em relação à importância da escolaridade obrigatória ter subido ao nível do 12.º ano e às críticas à progressiva transformação do nosso modelo de educação num modelo próximo do modelo alemão.

Focado em quatro áreas-chave: emprego, educação, economia e o futuro da construção europeia, o ciclo de conferências E^4 pretende ser “um conjunto de iniciativas que reúne figuras de relevo da nossa sociedade, permitindo pensar o futuro do nosso país e de que forma poderá um futuro governo Socialista trazer uma nova força aos jovens portugueses”, retomando o “horizonte de esperança” que foi comprometido com a entrada em cena da austeridade, ideologicamente seguida por este governo.

Partilhe esta notícia