Mais de sete dezenas de personalidades, de todos os quadrantes da sociedade portuguesa assumiram o compromisso de serem embaixadores de Setúbal, numa cerimónia realizada ontem, ao início da noite, no Forte de S. Filipe.

 

O desafio, lançado pela Câmara Municipal de Setúbal, consiste em “mais um passo para valorizar a terra do rio azul”, destacou a presidente da autarquia, Maria das Dores Meira.

 

Terra, essa, que a autarca salienta estar “mais bonita, mais desenvolvida, onde, hoje, se constroem soluções e futuros”, e que os agora embaixadores “são responsáveis por promover”.

 

Essa responsabilidade foi prontamente assumida ontem, na cerimónia realizada no Forte de S. Filipe, com a cidade de Setúbal como cenário, por 73 personalidades com áreas de atuação tão abrangentes que vão da política à cultura, do desporto ao ambiente, da economia ao turismo.

 

Herman José, José Berardo, Rosa Mota, Leonor Freitas, a dupla Anjos, Silvino, Paulo Sérgio, Toy, Eugénio da Fonseca, Luís Aleluia e Joaquim Gomes foram apenas algumas das muitas individualidades que aceitaram defender e promover o nome de Setúbal no quotidiano das suas atividades.

 

“É isso que vos pedimos, que continuem a divulgar esta terra. Se Setúbal atrai hoje as atenções de forma tão viva, é porque esse potencial sempre existiu aqui. Não fizemos [Câmara Municipal] nada de novo. Apenas lapidámos este diamante, que estava em bruto”, frisou Maria das Dores Meira.

 

O elenco de embaixadores é constituído por pessoas naturais ou não de Setúbal, mas, todas elas, com ligações muito próximas ao concelho.

 

Na cerimónia de entrega de diplomas de embaixadores setubalenses realizada ontem compareceram 73 personalidades, mas a lista compreende um total de 92 “diplomatas” sadinos.

 

Figuras como José Mourinho, José Couceiro, Luís Buchinho, D. Manuel Martins e Helena Coelho também aceitaram o convite da autarquia, mas não puderam marcar presença no ato de ontem.

 

Para muitos dos embaixadores, a nova responsabilidade não representa propriamente uma novidade.

 

“É uma grande responsabilidade, mas também é muito fácil. Setúbal é tão bonita, que fica fácil representá-la. Estou muito orgulhoso da minha cidade”, declarou Fernando Luís, protagonista de “Inspetor Max”, série que a TVI está a rodar em Setúbal, terra natal do ator.

 

Para a antiga bailarina Iolanda Rodrigues, atualmente coreógrafa e diretora pedagógica da Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, esta “é uma honra a qual não muda nada”, uma vez que assume sempre ter defendido Setúbal e a dança na cidade.

 

O sentimento é partilhado pela arquiteta Jordana Tomé, setubalense coautora do projeto que ganhou o concurso para a futura Biblioteca Pública Municipal de Setúbal e que “já divulgava a cidade sempre que podia”.

 

O comendador José Berardo considera que o “cargo” de embaixador de Setúbal traz “uma enorme satisfação”, até porque, recorda, visita o concelho “há já muitos anos”, pelo que “será um gosto tremendo” passar a representá-lo.

 

Tarefa que também se apresenta simples para Eugénio da Fonseca, setubalense, presidente da Cáritas Portuguesa, para quem a representação da terra natal “tem todas as condições para que possa ser feita com dignidade e orgulho, sem que, com isso, se faça publicidade enganosa”.

Partilhe esta notícia