O deputado do PSD, Bruno Vitorino, afirmou que “mais depressa veio a bancarrota que o Hospital do Seixal”, referindo-se à “eterna promessa socialista da construção desta unidade hospitalar”, questionando ainda o ministro da Saúde “se não tem vergonha de participar nesta farsa”.

Na audição ao ministro da Saúde, em comissão da especialidade no âmbito da discussão do Orçamento de Estado para 2017, Bruno Vitorino acusou o Governo de continuar a alimentar uma “farsa” com o tema do Hospital do Seixal.

“Quando José Sócrates e António Costa foram eleitos em 2005, o PS teve maioria absoluta. Nessa data os socialistas afirmaram que agora é que o hospital ia ser construído, tal como prometido na campanha eleitoral”, recorda.

Passados quatro anos, já no final do mandato e em véspera de novas eleições, “o PS que nada fez até então, assinou um protocolo com a autarquia do Seixal e lançaram a primeira pedra. Depois em campanha, voltaram a prometer o hospital, voltaram a ganhar eleições e continuaram a nada fazer”.

Bruno Vitorino refere que no novo mandato, já em 2010 “lá inscrevem a verba no Orçamento de Estado para o projeto. Criaram comissões, abriram concurso público nesse mesmo ano para o tal projeto, afirmando que o hospital iria estar concluído em 2012. Mas o projeto nunca saiu do papel. Nessa altura, mais depressa veio a bancarrota que o Hospital do Seixal”, afirma.

“Passados todos estes anos de sucessivas promessas nunca cumpridas, o PS volta a prometer, mesmo sabendo que o Governo não tem dinheiro para construir um verdadeiro hospital”, acrescenta.

O deputado do PSD acusou ainda o ministro de participar “nesta novela venezuelana, e de não ter vergonha de participar nesta farsa”.

 

Fonte: PSD

Partilhe esta notícia