Exemplos de ligação entre a academia e a indústria impressionaram comitiva

Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) recebeu ontem, dia 14, a visita de uma comitiva do Ministério da Educação, Ciência e Desenvolvimento Tecnológico da Sérvia, constituída pelo ministro Mladen Sarcevic, três secretários de Estado, a conselheira da Embaixada da Sérvia em Lisboa, Bojana Didic, e investigadores de institutos e centros de investigação.

O encontro com a presidência e órgãos de gestão do IPS, que decorreu no âmbito das iniciativas de cooperação científica entre Portugal e a República da Sérvia, centrou-se na ligação estreita entre esta instituição de ensino superior e o tecido empresarial da região envolvente, que se traduz numa elevada taxa de empregabilidade, a segunda maior do ensino politécnico português.

“O que me impressionou mais foi a conexão que conseguiram aqui desenvolver entre a academia, os estudantes e a indústria”, referiu o ministro Mladen Sarcevic, identificando “muitas semelhanças com o que estamos a tentar desenvolver neste momento na Sérvia”. O governante sérvio explicou ainda as particularidades do “modelo de educação dual” que tem vindo a ser implementado naquele país do leste europeu, onde, “para além do Estado, também algumas empresas podem financiar o ensino superior nas áreas que nos parecem estratégicas”. 

A visita da comitiva ministerial sérvia passou pelas escolas superiores de Ciências Empresariais (ESCE/IPS) e de Saúde (ESS/IPS), com paragem nos laboratórios de Logística e Sense&Motion (Movimento Humano), seguindo-se, já na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal/IPS), a Oficina Lu Ban Portuguesa (Laboratório em Indústria 4.0), inaugurada em dezembro último, em parceria com o Governo Municipal de Tianjin, China, e o Innovation Lab, também recentemente inaugurado. 

O ministro Mladen Sarcevic teve ainda oportunidade de interagir com os estudantes do programa BrightStart, que está a ser desenvolvido em parceria com a Deloitte, no âmbito da estratégia de responsabilidade social da empresa multinacional, através do financiamento das propinas e da atribuição de bolsas aos estudantes selecionados.  O programa, que já vai na segunda edição, consiste na formação de jovens na área das Tecnologias de Informação, em regime de cursos de curta duração (CTeSP), contemplando a componente teórica, em sala de aula, e prática, em contexto de trabalho real, sendo o exemplo acabado daquela que é a marca distintiva do IPS.  “A nossa aposta muito clara no saber-fazer, em estreita parceria com as empresas”, como vincou o presidente do IPS, Pedro Dominguinhos.

No mesmo dia, a delegação sérvia, acompanhada por representantes do departamento de Relações Internacionais da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), visitou igualmente o Instituto Superior Técnico (Universidade de Lisboa) e a Faculdade de Ciências e Tecnologia (Universidade Nova de Lisboa).

Fonte:IPS

Partilhe esta notícia